COTAÇÃO DE 29/11/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,6090

VENDA: R$5,6100

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6470

VENDA: R$5,7730

EURO

COMPRA: R$6,3216

VENDA: R$6,3229

OURO NY

U$1.783,43

OURO BM&F (g)

R$322,48 (g)

BOVESPA

+0,58

POUPANÇA

0,4412%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Coronavírus Especial SME

ENGENHARIA HOJE | Empresários mobilizam-se para fortalecer hospitais

COMPARTILHE

Crédito: SME

Diante da pandemia do novo coronavírus, empresários mineiros da indústria de engenharia e construção se mobilizam para dotar o Estado de recursos para que possa aumentar seu poder de combater a doença. No domingo, o empresário Rubens Menin, fundador da MRV Engenharia, anunciou a doação de R$ 10 milhões para a compra de respiradores. O respirador é o principal equipamento utilizado no tratamento das pessoas que já estão doentes. Cada equipamento custa cerca de R$ 100 mil.

Para o presidente da MRV, Rafael Menin, a doação foi feita porque o momento é de emergência e o Estado é muito carente em recursos. “Estes aparelhos farão a diferença no atendimento de pacientes graves. Acredito que este é o momento de cada um fazer a sua parte. E estamos fazendo a nossa”, disse o empresário, que defendeu a união do setor empresarial para colaborar com o Estado.

PUBLICIDADE

Como exemplo, ele citou a campanha que está sendo desenvolvida pelo Sindicato da Indústria da Construção Civil no Estado de Minas Gerais (Sinduscon) para a compra de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) para os profissionais de saúde dos hospitais públicos que atendem pacientes com coronavírus.

Por ora, Rafael Menin descarta a possiblidade de as empresas de construção colaborarem construindo instalações hospitalares e outras unidades de saúde. Por enquanto, para ele, o principal é colaborar na compra de equipamentos. “Se em algum momento, as instalações não forem suficientes, teremos que ver como agiremos”, afirmou.

Nessa terça-feira (24), a Federação das Indústrias no Estado de Minas Gerais (Fiemg) informou que está ampliando a mobilização iniciada pela MRV para a compra de respiradores. O objetivo, de acordo com a entidade, é viabilizar a doação de mil respiradores para a rede estadual de saúde pública. Os aparelhos serão adquiridos e entregues à Secretaria Estadual de Saúde. A definição de onde os equipamentos ficarão alocados será feita pela secretaria.

O objetivo da campanha é arrecadar de R$ 65 milhões para a aquisição dos respiradores. Até ontem, a Fiemg informou que já havia captado R$ 15,5 milhões e que seguia trabalhando para atingir a meta e entregar os equipamentos o mais breve possível. Segundo dados da Secretaria de Saúde, os novos aparelhos representam 15% do número total de equipamentos que o Estado possui atualmente.

“Entendemos a necessidade de apoiar as unidades de saúde do Estado, pois sabemos que não há a quantidade necessária de respiradores para o tratamento dos casos que poderão vir a acontecer. Vamos atuar no sentido de apoiar os mineiros, para minimizar os efeitos dessa pandemia”, disse o presidente da Fiemg, Flávio Roscoe.

EPIs – Outra coleta de doações visa à compra de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) – protetor facial, máscaras e luvas, entre outros – para os profissionais da saúde que trabalham nos hospitais públicos do Estado que atendem doentes com o coronavírus. A campanha está sendo conduzida pelo Sindicato da Indústria da Construção no Estado de Minas Gerais (Sinduscon-MG).

“Infelizmente, temos que fazer isso, porque vivemos em um Estado onde o governo tem boas intenções, mas não tem as condições financeiras necessárias para fazer face à pandemia do coronavírus”, afirmou o presidente do Sinduscon, Geraldo Jardim Linhares Júnior. Com a campanha, ele espera conseguir os recursos para a compra de um grande número de equipamentos de proteção. Para esta campanha, a MRV doou R$ 500 mil. “Esperamos ser o exemplo para os demais”, disse o presidente da MRV, Rafael Menin.

“Nossa preocupação é que os profissionais da saúde estão ficando sem condições de trabalhar”, afirmou Geraldo Júnior, que é favorável à não interrupção dos trabalhos nos canteiros de obras. Segundo ele, se a economia parar, o caos vai ser muito maior que o gerado pela própria pandemia.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!