Sônia Jordão considera a comunicação o principal desafio de hoje | Crédito: SME/Divulgação

Se as regras estão mudando para quem pretende ingressar no mercado de trabalho, o mesmo ocorre para quem já está nele e busca um cargo de liderança na empresa onde trabalha. Não é tarefa simples. Exige superar muitos desafios.

O principal deles, segundo a engenheira Sônia Jordão, uma especialista no treinamento de profissionais para o exercício de cargos de liderança, é o da comunicação, especialmente agora, que boa parte dos profissionais estão trabalhando em home office.

“Esse talvez seja o grande desafio do momento”, pontua Sônia Jordão.
Para ela, outros desafios decorrentes do cenário criado pela pandemia são o de manter a coesão em um momento de redução de equipes e sobrecarga de trabalho e, ao mesmo tempo, conseguir o engajamento dos funcionários. Como solução para esse problema, ela sugere a adoção de projetos colaborativos.

Independentemente da pandemia, o exercício da liderança exige de quem ocupa uma posição dessa, o conhecimento pleno das potencialidades de cada um de seus liderados, exige saber o que eles querem e o que os motiva.

“Tem gente que está ali para crescer. Tem gente que esta ali para aprender. Se o que você faz não o ajuda e ele não aprende nada, ele não vai ficar com você”, afirma Sônia Jordão.

Ela também recomenda que quem exerce função de liderança se cerque de pessoas que completem as habilidades que não possui. “Se você não é bom em comunicação, traz alguém de comunicação para te ajudar. Se não é bom de planejamento, traz alguém que é bom de planejamento”. Trata-se de um erro pensar que essas pessoas irão corroer sua liderança. “Tem gente que morre de medo de fazer isso”, ironiza Sônia Jordão.

Liderança natural – Outra ação, a seu ver importante é saber identificar na equipe quem são as pessoas que têm autoridade, ou seja, a quem os integrantes de sua equipe, de certa forma dão ouvidos.

“Se elas o ouvem, é porque aquela pessoa tem uma autoridade por alguma coisa, ou então ele é o líder nato, é aquele que todo mundo adora”, explica Sônia Jordão, que aconselha, nestes casos, que a pessoa em uma posição de chefia trabalhe para que esse “líder nato” esteja ao seu lado. “Traz ele para o seu lado, porque senão vai ser difícil conseguir um bom resultado para a sua equipe”, sugere.

Especificamente no caso dos engenheiros, ela enxerga pontos fracos que precisam ser melhor trabalhados por quem almeja um cargo de chefia ou pretende manter-se nele. O primeiro deles é a grande dificuldade de delegar tarefas. “Muitos engenheiros costumam ser centralizadores e, com isso, acabam sobrecarregados e precisam trabalhar até fora do horário. Além disso, não permitem a seus liderados se desenvolver, o que pode até desgastar toda a equipe”.

Outro problema muito comum entre os engenheiros é o excessivo valor dado ao que é exato, ao que é perfeito, sem levar em conta que o exercício desse tipo de função exige tolerância ao erro e compreensão com as falhas, características que, de acordo com Sônia Jordão, o engenheiro muitas vezes não possui.

“Um grande desafio dos engenheiros é liderar, uma vez que são da área de exatas e em suas graduações não aprendem quase nada de gestão e relacionamento humano. Muitas vezes precisam aprender no dia a dia e, às vezes, até de uma forma nada agradável”, afirma ela. (Conteúdo produzido pela SME)

Para ser um bom líder

• Defina, planeje e acompanhe
• Planejamento e controle foram feitos para serem seguidos passo a passo
• Comunique-se com a equipe
• E tem que comunicar bem, pois a comunicação é uma via de mão dupla. A mensagem só vai ser compreendida por quem estiver naquela mesma frequência.
• Motive a equipe
• Motivação é uma coisa implícita de todas as pessoas, mas o líder tem que dar a ignição, tem que conseguir motivar a equipe
• Organize sistemas, administração e administração do tempo
• Ter isso funcionando bem é muito importante para quem é líder. Cuide bem disso
• Seja exemplar
• Você pode ser um líder e não estar liderando.