COTAÇÃO DE 15/09/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,2370

VENDA: R$5,2380

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,2600

VENDA: R$5,4070

EURO

COMPRA: R$6,2090

VENDA: R$6,2103

OURO NY

U$1.793,52

OURO BM&F (g)

R$303,17 (g)

BOVESPA

-0,96

POUPANÇA

0,3012%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Especial SME

ENGENHARIA HOJE | Movimento nacional quer acelerar vacinação e SME disponibiliza sede

COMPARTILHE

Crédito: Prefeitura de Nova Lima/Divulgação
Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

Em um cenário complexo, como o da pandemia do coronavírus, que mata as pessoas e destrói a economia, tudo é urgente. Para acelerar ainda mais esse processo, pessoas físicas, empresas, ONGs, entidades profissionais e poder público se juntaram no movimento Unidos pela Vacina. O objetivo é, até 30 de setembro próximo, garantir que todos os cerca de 150 milhões de brasileiros abarcados pelo Plano Nacional de Imunização (PNI) estejam vacinados.

Nesse esforço conjunto, tudo é válido. Alguns exemplos: nos 774 municípios onde atua, a Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) vai agilizar as ligações provisórias de energia em locais de vacinação, cuja energia será também fornecida gratuitamente. Nos 75 onde possui bases operacionais, disponibilizou prédios próprios e de suas contratadas para armazenamento de material ou funcionar como ponto de vacinação. Nestas cidades colocou pelo menos um veículo e um empregado para dar apoio ao processo de vacinação.

PUBLICIDADE

O Serviço Social do Comércio (Sesc) também está colocando à disposição da campanha o espaço físico de todas as suas unidades em Minas. Internamente, está com campanha de divulgação sobre a necessidade de que todos se vacinem.

A Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg) conseguiu, em duas semanas, que várias indústrias fizessem a doação de cilindros de oxigênio para hospitais em todo o Estado. De acordo com a Fiemg, os cilindros cedidos eram utilizados para armazenar outros gases, mas estão limpos e recarregados com oxigênio para uso imediato.

Em Nova Lima, o Unidos pela Vacina inaugurou um drive-thru piloto de vacinação com toda a infraestrutura necessária para garantir conforto para os agentes de saúde e também para a população. A intenção é que esse projeto-piloto seja estendido para outras cidades do País.

Gargalos

O Unidos pela Vacina é uma iniciativa da empresária Luiza Trajano, líder do grupo Mulheres pelo Brasil, que rapidamente ganhou adeptos em todo o País. Em Minas, participam 179 empresas e instituições públicas e privadas, como a Sociedade Mineira de Engenheiros (SME), que colocou sua sede, na rua Timbiras, no centro de Belo Horizonte, à disposição do movimento para funcionar como ponto de vacinação.

De acordo com a diretora do Conselho Empresarial da Mulher Empreendedora (Ceme), Fernanda Andrade, o movimento trabalha com o objetivo de descobrir e eliminar os gargalos que travam a velocidade do processo de vacinação. Ela relata que uma primeira iniciativa nesse sentido foi o envio a todas as prefeituras de Minas de um questionário que permitisse mapear a situação de todos eles do ponto de vista da infraestrutura de vacinação.

O segundo passo, segundo Fernanda Andrade, será conseguir os insumos necessários para que os municípios estejam preparados para vacinar com agilidade à medida que a vacina for chegando em maior quantidade. “Precisamos estar preparados para, quando tivermos em mãos um número maior de doses, a vacinação se dê de maneira segura, eficiente e a mais rápida possível”. O trabalho consiste, segundo ela, em ajudar diretamente a turma da ponta a encontrar os gargalos e auxiliar as prefeituras”, afirmou Fernanda Andrade.

O movimento trabalha coma ideia da adoção de cidades. Dos 855 municípios mineiros, a Cemig adotou 34 e a Fiemg, por meio de um pool de empresas associadas, outras 275. No total, o movimento conseguiu, até agora, apoiar as demandas de 355 municípios.

Engenheiros

A SME também pretende atuar para difundir boas práticas que tenham sido adotadas por empresas, ONGs e instituições durante a pandemia do coronavírus. O espaço para isso é o site da instituição. O link dá acesso ao local em que as experiências deverão ser relatadas: a área de comentários da nota divulgada pela SME em que pede que engenheiros e empresas de engenharia contribuam para o combate à Covid-19.

Na nota, a SME pede que essa contribuição se dê segundo os instrumentos que cada pessoa ou empresa tiver em mãos. A SME, por exemplo, colocou sua sede, na rua Timbiras, 1.514 à disposição das autoridades sanitárias para que no local possa ser instalado um posto de vacinação.

Para a presidente da SME, Virgínia Campos, dar publicidade a todas as iniciativas é uma forma de estimular a participação e, ao mesmo tempo, levar as pessoas, empresas e instituições da sociedade civil, a descobrir que o instrumento para essa colaboração pode estar disponível, sem que as pessoas, muitas vezes, tenham noção disso, como no caso da SME, cujo prédio pode estar a serviço da vacinação.  “É preciso que as pessoas descubram as potencialidades desse apoio”, ressalta Virgínia Campos. (Conteúdo produzido pela SME)

Empresa do Sul de Minas desenvolve sensor para monitorar vacinas

Um dos segredos da conservação de qualquer vacina é a sua manutenção em uma temperatura uniforme. Se ocorrer variação na temperatura, a vacina se perde. Para monitorar à distância essa temperatura, o engenheiro eletricista André Vasconcelos Leite, diretor da empresa Fractum, de Santa Rita do Sapucaí, no Sul de Minas Gerais, desenvolveu uma rede de sensores que emite alerta quando ocorre alguma modificação nas câmaras frias ou na temperatura dos resfriadores. Com isso, ganha-se tempo para fazer a correção do problema e evitar a perda de doses da vacina, explica Andre Leite.

Para desenvolver o projeto dos sensores, a Fractum recebeu R$ 253 mil do Tecnova, programa da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) executado pela Fundação de Amparo à Pesquisa no Estado de Minas Gerais (Finep). Com isso, foi possível o desenvolvimento da tecnologia que insere as informações de 20 parâmetros ambientais em um único equipamento. Com os sensores são coletados dados emissão de gases, temperatura, umidade, pressão atmosférica, intensidade de luz, sons e movimentos, entre outros parâmetros.

Conforme afirma André Leite, o projeto possibilita um monitoramento amplo do ambiente. Ele explica que os sensores conectados à internet monitoram determinadas variáveis e, com a utilização de inteligência artificial, se consegue prever certos eventos como enchentes, tempo muito seco, alta de temperaturas e sensores de vibrações. “Fazemos hoje uma análise preventiva de ambientes em que podemos prevenir, por exemplo, quando o motor vai estragar ou parar de funcionar”, afirma.

Outra aplicação é a dos pluviômetros inteligentes que monitoram a intensidade das chuvas tanto na área urbana quanto rural. A startup também atua com sensores em barragens de rejeitos de mineração, no qual eles identificam e emitem o alerta para qualquer alteração de movimento ou inclinação. “Nossa tecnologia pode ser aplicada em indústrias, prefeituras, para prever enchentes, hospitais, na agricultura, entre outras aplicações. Fornecemos as ferramentas, no caso, os sensores inteligentes, para que o usuário tenha os dados em suas mãos.”, afirma.

Em relação à participação no Tecnova, André Leite observa que o recurso possibilitou que a empresa tomasse um outro rumo, oferecendo novos produtos e prospectando outros clientes. Ele lembra que na época em que começaram as pesquisas sobre os sensores inteligentes, pouco se falava ainda sobre a Internet das Coisas, e que a participação no Tecnova acelerou essa visão. “Estávamos no caminho certo”, afirma o diretor da Fractum. Hoje, a empresa além do Brasil, atua na Argentina, Chile e México.

ANOTE
Hostil – O Senado aprovou projeto que proíbe o uso de arquitetura urbana de caráter hostil ao livre trânsito da população de rua em espaços de uso público. A técnica é caracterizada pela instalação de equipamentos urbanos como pinos metálicos pontudos e cilindros de concreto nas calçadas para afastar pessoas, principalmente as que estão em situação de rua. Na sequência, o projeto será apreciado pela Câmara dos Deputados.

Inovação – Já está no ar o novo site do Sistema de Inovação Mineiro (Simi). A plataforma possui 1.081 empresas cadastradas, sendo 958 startups e 123 Empresas de Base Tecnológica (EBTs). O filtro de busca é distribuído por segmentos, cidades, tipo de tecnologia, startup ou EBT. Há segmentação também de clientes e fase de negócios, entre outros critérios. Os interessados em fazer parte da plataforma podem cadastrar sua empresa ou startup na plataforma, entrando em http://simi.org.br/cadastro. No endereço, também estão todas as informações necessárias para participar.

Capacitação – Será nesta sexta-feira (9), a oficina de capacitação na área ambiental que o governo de Minas oferece às prefeituras do Estado. O evento está sendo promovido pela Associação Mineira de Municípios (AMM), em parceria com a Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad). A capacitação abrangerá todos os serviços prestados pela Semad. Inscrições no site www.portalamm.org.br.

Clima e cidades – O BDMG Cultural está com inscrições abertas para o programa Urbe Urge. O objetivo é financiar projetos que tenham como tema a emergência climática e a melhoria da vida nas cidades. O programa é voltado para arquitetos urbanistas e designers, em confluência com outros campos do conhecimento. O edital está disponível em https://bdmgcultural.mg.gov.br.

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!