Na tentativa de minimizar os impactos da pandemia do novo coronavírus sobre a economia, o governo, nas suas diversas esferas, tem lançado uma série de medidas sob forma de decretos, normas, resoluções, medidas provisórias e leis.

Impactados pelo isolamento social e envoltos por uma novidade por minuto, em uma linguagem pouco dominada pela maioria deles, muitos empresários, especialmente aqueles que tocam negócios de pequeno porte, se sentem perdidos.

Por isso mesmo, a Associação Comercial e Empresarial de Minas (ACMinas) lançou, no site da instituição, a cartilha “Possíveis impactos sobre a economia e as empresas: orientações e recomendações às empresas”. O trabalho, elaborado pelo presidente do Conselho empresarial de economia da ACMinas, Guilherme Leão, que lista as medidas tomadas pelo governo para a proteção das empresas e do emprego, deve ter atualização diária.

“A cartilha traz os possíveis efeitos da pandemia sobre a economia e os negócios; uma leitura mais direta e simplificada – com menos termos técnicos – das resoluções e medidas implementadas; e um guia de recomendações para a gestão dos negócios, com foco no fluxo de caixa. Orientamos que tudo o que puder ser renegociado, seja. Sem entrada de recursos as empresas morrem asfixiadas pela falta de capital de giro”, explica Leão.

O material foi feito pensando nos associados da ACMinas, porém estará aberto para consultas de qualquer empresário dentro ou fora de Minas Gerais. O objetivo é prestar um serviço importante especialmente para os micro e pequenos negócios. Tudo isso, porém, sem abrir mão do trabalho de profissionais como contadores e advogados.

“Esse é um guia, mas as empresas devem consultar seus profissionais de confiança para refletir sobre qual a melhor solução para cada uma. Listamos as leis e decretos para que seja mais fácil a consulta e a compreensão já que temos novidades praticamente todos os dias”, pontua o presidente do Conselho empresarial de economia da ACMinas.

Para o gestor, as medidas estão agrupadas em três grandes grupos e é sobre eles que os empresários devem focar a atenção.

Relações trabalhistas – medidas de flexibilização de jornada e salários;
Finanças e crédito – oportunidade de obtenção de crédito facilitado e estendido;
Tributação – isenção e prorrogação de prazos para pagamento de tributos.

“Essas três áreas mexem diretamente com a possibilidade de o empresário diminuir as despesas nessa época em que não existe dinheiro entrando. É preciso, entretanto, prestar muita atenção para não gerar mais problemas no futuro, como passivos trabalhistas e dívidas muito grandes. As medidas que foram anunciadas até aqui são boas e devem ser aprofundadas”, completa o empresário.