Arrecadação de impostos administrados pela Receita Federal do Brasil alcançou R$ 101,08 bilhões no ano passado - Crédito: Renato Araújo/ABr

A arrecadação federal em Minas Gerais atingiu R$ 101,493 bilhões em 2019, o que representa alta de 20,41% em relação a 2018, quando atingiu R$ 84,284 bilhões. Somente o valor administrado pela Receita Federal do Brasil (RFB) somou R$ 101,087 bilhões em 2019, elevação de 20,55% em relação a 2018, quando R$ 83,853 bilhões foram arrecadados.

O imposto sobre importação foi responsável pela arrecadação de R$ 1,119 bilhão em 2019. No ano anterior, foram arrecadados 993,675 milhões, mostrando um crescimento de 12,65% no ano passado.

Os valores referentes à arrecadação do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) também apresentaram aumento em Minas Gerais. Enquanto em 2018 foram registrados R$ 6,641 bilhões, em 2019 o número saltou para R$ 7,009 bilhões, incremento de 5,54%.

A expansão também foi verificada no imposto sobre a renda. No total, em 2019, a arrecadação chegou a R$ 23,457 bilhões, contra R$ 18,840 bilhões em 2018, alta de 24,50%.

Imposto de Renda – Somente o Imposto de Renda sobre Pessoa Física (IRPF) atingiu R$ 3,414 bilhões no ano passado, incremento de 23,92% em relação a 2018, quando 2,755 bilhões foram arrecadados.

Já no Imposto de Renda Pessoa Jurídica (IRPJ), por sua vez, a expansão verificada foi de 37,27%, passando de R$ 8,788 bilhões no ano de 2018 para R$ 12,064 bilhões no ano passado.

O recolhimento da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) em Minas Gerais somou R$ 12,137 bilhões em 2019. No ano anterior, o valor registrado foi R$ 11,060 bilhões, revelando um crescimento de 9,73%.

Por fim, a contribuição para o PIS/Pasep em 2019 chegou a R$ 3,893 bilhões, o que mostra uma expansão de 12,87% na comparação com 2018, que registrou R$ 3,449 bilhões.

Nacional – A arrecadação do governo federal fechou 2019 com alta real de 1,69%, a R$ 1,537 trilhão, num desempenho ajudado pelo recolhimento de impostos de empresas em ano no qual estatais também registraram ganhos de capital sujeitos à tributação após vendas de participações.

Este foi o melhor desempenho anual desde 2014, quando a arrecadação somou R$ 1,599 trilhão, na série da Receita corrigida pela inflação.

Em dezembro, contudo, houve queda de 0,08% sobre igual mês de 2018, a R$ 147,501 bilhões. (Com informações da Reuters)