Cemig prevê investimento de R$ 2 bilhões neste ano
A maior parte das inversões da Cemig em 2020 (R$ 1,7 bilhão) será destinada à distribuição de energia - Crédito: Crhistyam de Lima

Os investimentos da Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) previstos para o atual exercício chegam a R$ 2 bilhões. O montante representa quase 20% do total de R$ 10,4 bilhões a serem aportados pela estatal entre 2020 e 2024.

Somente a Cemig Distribuição S.A. (Cemig D) deverá receber R$ 1,7 bilhão neste ano, provavelmente o maior investimento para uma concessionária de distribuição no Brasil.

As informações são da própria companhia e foram divulgadas ao mercado financeiro. Além das inversões em distribuição, R$ 95 milhões serão destinados à geração e outros R$ 249 milhões à transmissão, ainda neste exercício.

Procurada pela reportagem, a Cemig informou que concederá entrevista coletiva na próxima semana para comentar o assunto.

No mesmo documento, a energética ressaltou que no ano passado os investimentos somaram R$ 1,235 bilhão, dos quais R$ 986 milhões em distribuição, R$ 26 milhões em geração e R$ 223 milhões em transmissão.

“Esses investimentos foram destinados à conexão de aproximadamente 128 mil novos clientes e na modernização da base de ativos, visando redução dos custos de operação e manutenção, proporcionando melhoras nos indicadores de qualidade e aumento da satisfação dos nossos clientes”, disse no informe.

Em novembro do ano passado, o então presidente da estatal mineira, Cledorvino Belini, falou dos aportes necessários para reverter a situação da companhia, durante o Prêmio Melhores Fornecedores Cemig 2019.

Ele disse, na época, que, além dos R$ 8 bilhões em investimentos que já estavam previstos até 2022, a companhia precisaria aportar outros R$ 8 bilhões até 2026, num total de R$ 16 bilhões para recuperar o déficit tecnológico do sistema. E que os recursos deveriam ser destinados principalmente à digitalização da empresa e geração e expansão da rede de distribuição.

“Estamos investindo forte com o olhar no futuro e na perenidade do negócio. Seja uma empresa estatal ou privada. Estamos desenvolvendo uma gestão eficiente, focada nos resultados, na meritocracia, segurança e fortemente em compliance. Investindo nas pessoas através de treinamento e capacitação”, justificou na época.

Estratégia – Tantos investimentos fazem parte da estratégia da estatal para se tornar cada vez mais competitiva e eficiente, principalmente diante da possibilidade de privatização – uma das principais bandeiras do governador Romeu Zema (Novo) durante a campanha. Zema já chegou a afirmar que os investimentos necessários à companhia chegam a R$ 21 bilhões.

No início deste ano, Belini deixou a presidência da Cemig após permanecer à frente da estatal por quase um ano. O economista Reynaldo Passanezi Filho assumiu como novo diretor-presidente da companhia.

O executivo possui graduação e doutorado em Economia pela Universidade de São Paulo (USP), mestrado em Economia pela Universidade de Campinas (Unicamp), graduação em Direito pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP), além de especialização em Gestão, Liderança e Inovação pela Universidade de Stanford (EUA). Possui carreira sólida em posições executivas no setor elétrico, no setor financeiro e passagens pelo setor público. Possui, ainda, ampla experiência em reestruturações empresariais, fusões e aquisições, com conhecimento profundo de América Latina e de infraestrutura.