O crédito para o café em Minas chegou a R$ 124,89 milhões em fevereiro | Crédito: Divulgação

A demanda pelos recursos do crédito agrícola em Minas Gerais encerrou os oito primeiros meses da safra 2019/20 com alta de 13%. De acordo com as informações da Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa), entre julho de 2019 e fevereiro de 2020, foram desembolsados R$ 17,35 bilhões para o Estado, valor que responde por 14% do volume total liberado para o País, que já alcançou R$ 125,82 bilhões. A maior parte do volume foi para a linha de custeio, que já soma R$ 9,59 bilhões.

Em Minas Gerais, no total, foram aprovados 157.692 contratos, aumento de 4% frente a igual período da safra passada. Dos R$ 17,35 bilhões, R$ 11,43 bilhões foram destinados para aplicação na agricultura, valor 8% maior ao registrado no mesmo período da safra passada.

Para a agricultura, foram aprovados 66.925 contratos, número estável no confronto com o anterior. Já a pecuária apresentou alta de 25% na demanda pelos recursos do crédito rural, somando R$ 5,92 bilhões no período. A aprovação de contratos cresceu 7% e encerrou em 90.767.

Dentre as linhas do crédito agrícola e pecuário, o maior volume de desembolsos foi para custeio. Os dados mostram que, nos primeiros oito meses da safra, foram liberados R$ 9,59 bilhões, incremento de 11% no Estado. A aprovação de contratos permaneceu praticamente a mesma, com leve queda, somando 67.825, ante 68.057 registrados no mesmo período da safra anterior.

Para o custeio da agricultura, foram liberados R$ 6,62 bilhões, variação positiva de 10%. A aprovação de contratos cresceu 1% e encerrou o período em 40.940 pedidos aprovados. Somente em fevereiro, foram liberados para a linha de custeio da agricultura R$ 290,38 milhões.

Em fevereiro, as culturas que apresentaram maior demanda foram o café, com desembolso de R$ 124,89 milhões, alho (R$ 48,47 milhões), milho (R$ 32,75 milhões), soja (R$ 14,86 milhões) e cana-de-açúcar com a liberação de R$ 13,11 milhões. Os desembolsos para as demais lavouras ficou em R$ 56,30 milhões.

Ao longo dos oito primeiros meses da safra 2019/20, os desembolsos da linha de investimentos, em Minas Gerais, somaram R$ 4,35 bilhões, valor 35% superior aos R$ 3,23 bilhões registrados anteriormente. Os contratos aprovados da modalidade, 87.764, cresceram 10%.

Pecuária – De acordo com os dados da Seapa, para a pecuária de Minas Gerais, foram liberados na linha de custeio R$ 2,97 bilhões, aumento de 13%. Foram aprovados 26.885 contratos, queda de 2%. Em fevereiro, dentre os produtos, a maior parte dos recursos foi para bovinos (R$ 284,16 milhões), suínos (R$ 8,48 milhões) e avicultura (R$ 16,22 milhões).

Na pecuária, a busca pelos recursos de investimento cresceram 51%, com a liberação de R$ 2,10 bilhões. Para a agricultura, foram liberados R$ 2,25 bilhões, variação positiva de 23%.

Para a linha de investimento na pecuária, a aprovação de contratos cresceu 12% e somou 63.204. Já na agricultura, a alta foi de 4%, com a liberação de 24.560 contratos de investimento.

Os valores de crédito contratados para a linha de comercialização ficaram menores quando comparados com igual período do ano passado. De acordo com o levantamento, foram desembolsados R$ 2,75 bilhões para a modalidade em Minas Gerais, redução de 17% sobre os R$ 3,31 bilhões registrados em mesmo intervalo da safra anterior. A aprovação de contratos de comercialização também ficou menor, encerrando o acumulado da safra até fevereiro com retração de 33% e somando 2.001 liberações, ante 3.006.

Para a linha de comercialização da agricultura foram liberados R$ 2,08 bilhões, queda de 22%, com a aprovação de 1.372 contratos, volume 43% menor. Já na pecuária, o crédito de comercialização cresceu 2%, com liberação de R$ 680 milhões. A aprovação de contratos chegou a 629, número 6% maior.