Estratégia ganhou as redes sociais e ampliou as vendas - Crédito: Divulgação

Em meio ao cenário de baixo consumo por parte da população, em virtude do alto índice de desemprego, empresas do varejo têm cada vez mais investido em estratégias irreverentes para alavancar as vendas.

O Depósito Tikim de Tudo, localizado em Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), por exemplo, adotou a tática de escrever as palavras erradas propositalmente nas placas de divulgação.

A ação tem dividido opiniões entre os moradores do bairro São Joaquim, mas, conforme a proprietária do estabelecimento e idealizadora da campanha, Michelle Silva Magalhães Rocha, a repercussão tem sido mais positiva do que negativa. “As pessoas passaram a notar o depósito depois que aderimos às placas com palavras erradas. Algumas entram para sugerir a correção, se divertem com a estratégia e ainda saem com produtos”, comentou.

Segundo a empresária, tudo começou com a divulgação das promoções de Black Friday, data voltada para liquidações, que teve sua origem nos Estados Unidos. A estratégica de escrever nas placas “Breki Fraidi” não somente atraiu a atenção de diversos consumidores, mas também tomou conta das redes sociais, tornando o depósito ainda mais conhecido e alavancando as vendas.

“Na época, expliquei pro meu esposo (e sócio) que esta seria uma forma de chamarmos a atenção e conseguirmos propaganda gratuita, já que as pessoas iriam comentar e espalhar os erros grotescos, mas propositais”, explicou.

E não deu em outra. Embora não tenha revelado o quanto os negócios aumentaram, Michelle Rocha disse toda vez que suspendem a ação – seja por motivo de chuva ou adoção de outra estratégia – as pessoas sentem falta e o movimento cai. Por isso, as placas são vistas na rua do depósito o ano todo.

Entre as palavras e frases de maior sucesso e impacto nas redes sociais e junto aos moradores do bairro, conforme a empresária, estão “Raketi mata muskitu”, “vaçora” e “carregadô delu-lá”. Além destes produtos, o estabelecimento também vende utilidades domésticas, acessórios eletrônicos, materiais de construção, entre outros.

A especialista em marketing digital, cofundadora e educadora do Minas Digitais, Isabela Ferreira, explicou que com as mudanças dos últimos anos, o marketing também precisou se adaptar a uma nova realidade em que o consumidor tem muito mais autonomia tanto no discurso quanto no acesso a informação.

Ainda conforme ela, o boca a boca sempre foi fundamental para a tomada de decisão do consumidor e continua existindo no mundo digital, por meio do compartilhamento nas redes sociais. “Você gosta e indica. Porém, diferente de antes, tornar pública a sua insatisfação também se tornou muito mais fácil”, disse.

Sobre estratégias irreverentes como a criada pelo Tikim de Tudo, Isabela Ferreira, avaliou que tudo vai depender do objetivo do empresário e do perfil do consumidor. Mas ponderou que uma publicidade ruim pode gerar danos de longo prazo à marca. Para ela, para ter bons resultados é imprescindível que a empresa tenha claro aonde quer chegar e adote um planejamento bem estruturado, considerando a concorrência e seus pontos fortes e fracos.

“Se posicionar em relação a temas controversos, por exemplo, tem sido um caminho muito utilizado por algumas empresas, justamente para se aproximar de um nicho específico. Existem muitas técnicas que chamamos de “black hat”, ou seja, técnicas não oficiais ou aprovadas que são usadas para enganar o consumidor ou os algoritmos das ferramentas digitais. Muitas vezes chegam a trazer resultados, mas têm seus custos, financeiro, de marca e moral”, alertou.