Batistelli estima crescimento entre 2,5% e 10% neste ano - Crédito: Divulgação

A mineira Mutari, fabricante de cosméticos (linha profissional e home care), continua apostando na internacionalização de seus produtos para alavancar os negócios. Associada ao melhor desempenho da economia esperado para este exercício e ao lançamento de novos produtos nos próximos meses, a exportação para diferentes países impulsionará o desempenho das vendas também em 2020. A expectativa é que o faturamento aumente pelo menos 2,5% sobre o ano anterior.

As informações são do presidente da Mutari, Olindo Batistelli. Segundo ele, o planejamento anual da empresa considera três diferentes cenários para os negócios: o pessimista, o mediano e o otimista. E, desta vez, caso o primeiro deles seja confirmado, os negócios avançarão 2,5% sobre o ano anterior.

“Conseguimos fechar o ano passado com o desempenho estipulado pelo cenário mediano e chegamos a um aumento de cerca de 2% em relação a 2018. Já para este exercício, diante das melhores condições econômicas e dos esforços internos, se crescermos o previsto na pior das hipóteses, já teremos um faturamento 2,5% maior”, reiterou. No cenário mediano é esperado um crescimento de 5% e no otimista de 10% sempre sobre o ano anterior.

“Ampliamos nossa área de exportações e também nosso mercado de atuação, com a entrada no segmento de dermocosméticos também para a rede Farma. Além disso, a ampliação do e-commerce já favoreceu as vendas do ano passado e deve continuar beneficiando neste exercício”, comentou.

Neste sentido, a marca lança ainda este mês, um produto que previne danos causados pela luz digital, o Fotoprotetor Absolut 360º FPS 35. A novidade contém na formulação ativos tecnológicos imprescindíveis também para a proteção contra os raios ultravioletas, mas principalmente contra a chamada “Luz Azul”, presente em lâmpadas LED e luz digital (de celulares, computadores e tablets), que contribuem para o envelhecimento precoce, podendo causar rugas e manchas de pele, sendo a segunda maior frequência de espectro visível.

Atualmente, o segmento capilar representa 93% do faturamento da marca, enquanto os cosméticos chegaram a 7% no ano passado. Conforme o presidente, a diferença se deve, entre outros motivos, pelo tempo de desenvolvimento de cada linha. “São 23 anos trabalhando no capilar profissional e home care e apenas dois com dermocosméticos. Acreditamos que quando atingirmos o tempo de maturação da segunda linha, teremos algo em torno de 25% de representatividade”, afirmou.

Lançamentos – Já para o ano que vem, a marca estuda lançar produtos de maquiagem e outros segmentos. O grupo vende mais de 200 produtos, entre itens de produção própria e terceirizados. Eles são divididos em três linhas: capilar, corporal e face, sendo que os produtos de transformação capilar são os mais vendidos.

“Chamamos de transformação aqueles produtos que mudam a forma do cabelo, como alisar ou enrolar, e também a cor dele”, explicou. Ao todo, a marca tem 500 distribuidores no Brasil e em mais 20 países.

Em termos de negócios, Batistelli contou que Minas Gerais segue como principal mercado da Mutari, representando cerca de 25% das vendas. Em termos de regiões, a ordem de importância é Sudeste, Nordeste, Centro Oeste, Sul e Norte.

Além disso, de tudo o que é produzido pela fábrica belo-horizontina, 5% é enviado ao exterior, principalmente aos países do Oriente Médio, América do Norte e Europa. A ideia, conforme o empresário, é que haja um crescimento de 30% no volume embarcado em 2020, em virtude, principalmente, do potencial do mercado estrangeiro.

“Da mesma maneira como as mulheres brasileiras têm interesse e hábito de utilizar produtos e cosméticos importados, as estrangeiras também têm. Os Estados Unidos, por exemplo, abrigam o maior mercado do mundo e queremos conquistar uma fatia maior. O produto brasileiro é muito bem aceito lá fora”, comentou.