Fornecedora da FCA vai fechar planta de Contagem
A Fiat Chrysler Automobiles concedeu férias coletivas de dez dias para os funcionários da produção -Divulgação

A Keiper, fabricante de componentes e estruturas metálicas de bancos de automóveis, e fornecedora da Fiat Chrysler Automobiles (FCA), vai encerrar as atividades na unidade de Contagem e concentrar os trabalhos apenas na planta de Betim, ambas cidades da Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH).

A medida já estaria afetando a fabricação de veículos na unidade mineira da montadora, que concedeu férias coletivas de dez dias aos funcionários da produção.

As informações foram confirmadas pelo Sindicato de Metalúrgicos de Betim e Sindicato dos Metalúrgicos de Belo Horizonte, Contagem e Região (Sindimetal). Segundo eles, dos 110 funcionários que a Keiper mantinha em Contagem, 100 receberam notificação de demissão na última semana e dez seguem trabalhando na unidade.

A empresa justificou aos sindicatos que a medida visa reduzir custos e que parte do quadro poderá ser remanejada para Betim.

“A produção dos componentes ocorria em Contagem e o término da montagem em Betim. Com o argumento de redução nos custos com aluguel, a Keiper informou o fechamento. A medida nos preocupa, pois além de não ter sido acordada conjuntamente com o sindicato, não é a primeira vez que a fornecedora prejudica a produção da FCA na cidade”, explicou o presidente do Sindicato de Metalúrgicos de Betim, João Alves.

Ele se referiu ao ocorrido em 2016, quando a empresa interrompeu o fornecimento das peças, em função de desavenças em relação ao aumento de preços e a renovação do contrato com a montadora.

A reportagem não conseguiu falar com a Keiper. Já a FCA confirmou que concedeu férias coletivas aos trabalhadores vinculados à produção da planta em Betim, pelo período de dez dias, desde o dia 19 de fevereiro. “A decisão foi tomada devido à instabilidade no fornecimento de alguns componentes. A FCA acredita que em breve a normalidade do fornecimento será retomada”, disse, por meio de nota.

Segundo o presidente do Sindicato de Metalúrgicos de Betim, a situação preocupa, por não ser inédita e porque poderá gerar um prejuízo de mais de 10 mil carros à montadora. A paralisação pode gerar efeito em cadeia no restante das dezenas de fornecedores da FCA, que trabalham em sistema de just in time. Além disso, a suspensão das atividades na fábrica pode colocar outros milhares de trabalhadores sem atividade na região e custar ao governo perdas diárias em termos de arrecadação.

O presidente do Sindimetal, Geraldo Valgas, por sua vez, informou que a entidade já solicitou audiência na Superintendência Regional do Trabalho e Emprego em Minas Gerais, uma vez que a negociação direta não foi possível. A expectativa é que a reunião seja agendada após o Carnaval.

Vendas – No primeiro mês deste ano, segundo dados da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (Fenabrave), a companhia emplacou 25.896 automóveis e comerciais leves, enquanto em janeiro do ano passado foram 26.166, recuo de 1%.