COTAÇÃO DE 27/09/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,3780

VENDA: R$5,3790

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,3130

VENDA: R$5,5370

EURO

COMPRA: R$6,2562

VENDA: R$6,2591

OURO NY

U$1.750,16

OURO BM&F (g)

R$300,91 (g)

BOVESPA

+0,27

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia exclusivo zCapa

Governo de Minas prepara plano para atrair aportes após crise

COMPARTILHE

A Fiat Chrysler deve postergar investimentos previstos de R$ 8,5 bilhões na planta de Betim em 2020 | Crédito: Charles Silva Duarte/Arquivo DC

Não bastassem os substanciais gastos na saúde e o impacto direto nas receitas do Estado, em função das medidas de restrição e circulação de pessoas recomendadas pelas autoridades sanitárias, a chegada do novo coronavírus (Covid-19) a Minas Gerais já faz com que empresas adiem investimentos até então previstos.

Como forma de tentar amenizar as consequências não apenas para os cofres públicos, que já estimam perdas de R$ 7,5 bilhões em arrecadação neste exercício, mas também para dar suporte ao desenvolvimento econômico do Estado, o governo mineiro já prepara um plano de retomada econômica para quando passar a pandemia.

PUBLICIDADE

De acordo com o presidente da Agência de Promoção de Investimento e Comércio Exterior de Minas Gerais (Indi), Thiago Toscano, um dos órgãos que integram o comitê que acompanha a evolução do quadro fiscal e econômico diante da disseminação do Covid-19 no Estado, a intenção é oferecer a empresas e investidores, os caminhos e perspectivas de retomada.

“Estamos preparando estratégias com o BDMG (Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais) e com a Secretaria (de Estado) de Fazenda para retomarmos os níveis de investimentos, quando esse cenário passar. Agora, diante tantas incertezas, é natural que uma ou outra empresa postergue projetos, vislumbrando um cenário mais maduro e estável para investir. E é nisso que vamos focar, em preparar o território mineiro para receber esses investimentos”, explicou.

Toscano ainda se mostrou otimista quanto à retomada dos aportes no médio prazo. “O impacto será inevitável, mas vamos trabalhar para que não seja duradouro. Para isso, vamos acelerar alguns processos que já estavam em andamento e prosseguir com negociações que já tinham sido iniciadas. Estamos criando uma força-tarefa para que Minas Gerais seja o estado mais bem preparado para receber os investimentos pós-crise”, adiantou.

Questionado sobre a manutenção das metas em atração de investimentos privados para Minas, o presidente do Indi disse que o Executivo ainda não trabalha com queda das projeções. Conforme já divulgado, meta do governo Romeu Zema é alcançar R$ 150 bilhões e gerar 600 mil empregos diretos até 2022.

Da mesma maneira, o secretário de Estado da Fazenda, Gustavo Barbosa argumentou que entende que a suspensão de novos aportes não irá ocorrer. “Esta é uma situação momentânea. O Estado continua sendo rico economicamente, com atrativos em termos de consumo e infraestrutura. Teremos apenas algumas postergações. Mas nem todas as empresas vão adotar”, garantiu.

Entre as empresas que já anunciaram adiamentos, a Fiat Chrysler Automóveis (FCA) com planta industrial em Betim, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), comunicou que os R$ 16 bilhões a serem investidos pelo grupo no Brasil nos próximos anos, dos quais R$ 8,5 bilhões serão destinados ao Estado, possivelmente serão adiados. Isso inclui a inauguração da nova fábrica de motores GSE Turbo, que estava prevista para o fim de 2020, e o lançamento de modelos, como a nova Strada, que seria apresentada ao mercado em abril.

Em entrevista coletiva virtual, o presidente da FCA para a América Latina, Antonio Filosa, disse que os aportes serão adiados em três, seis ou 12 meses. E que, com isso, o plano poderá ser estendido até 2025. “Mas os valores, carros, modelos e linhas de produção serão os mesmos”, garantiu.

Aeroporto – Já a BH Airport, concessionária que administra o Aeroporto Internacional de Belo Horizonte, localizado em Confins (RMBH) previa inversões da ordem de R$ 130 milhões para este exercício no terminal, mas também suspendeu os projetos. Além disso, o terminal 2 será parcialmente fechado, do portão 19 ao 27, de maneira que os voos fiquem concentrados no terminal 1, entre os portões 1 e 16, e dos portões 17 e 18, do terminal 2.

De acordo com o gestor de Marketing, Comunicação e Ouvidoria da concessionária, Nicolau Maranini, a alteração, que é temporária, trará mais eficiência operacional aos pousos e decolagens que estão limitados a uma malha aérea essencial, com poucas rotas definidas pelas companhias aéreas, bem como irá otimizar recursos operacionais.

“Estamos reduzindo cerca de 60% dos custos do aeroporto junto a fornecedores e parceiros, negociando contrato por contrato”, informou.

Por outro lado, Maranini revelou que o início das operações do aeroporto-indústria e a obtenção de certificação para cargas especiais regulamentadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) pelo terminal de cargas, nas próximas semanas, farão toda a diferença no momento de retomada das operações da aviação civil. “Estas medidas irão colocar o Aeroporto Internacional de Belo Horizonte em outro patamar”, apostou.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!