COTAÇÃO DE 26/01/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,3259

VENDA: R$5,3269

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,3600

VENDA: R$5,4870

EURO

COMPRA: R$6,5530

VENDA: R$6,5554

OURO NY

U$1.850,93Pg�

OURO BM&F (g)

R$320,58 (g)

BOVESPA

-0,78

POUPANÇA

0,1159%%

OFERECIMENTO

Mercantil do Brasil - ADS

INFORMAÇÕES DO DOLAR

exclusivo Opinião

Impacto das inundações urbanas

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Crédito: Divulgação

Márcia Maria Guimarães *

No período chuvoso é comum ouvir que “a avenida virou um rio”, quando na realidade foram os rios que viraram avenidas durante o processo de ocupação urbana.

As cidades brasileiras cresceram em torno de cursos d’água, quando também surgiram os problemas de drenagem e saneamento.

Belo Horizonte foi uma das primeiras capitais planejadas do Brasil e já na década de 1920 iniciou as canalizações de seus córregos, tais como Acaba Mundo, Leitão, Serra e ribeirão Arrudas, transformados em avenidas.

Com isso, iniciaram-se os problemas de inundações urbanas …

Anos depois da primeira canalização, em 1929, uma enchente arrasou a Capital, mostrando que a retificação das seções de rios e a transformação de seus leitos em canais artificiais não resolviam a situação.

Mesmo assim, a solução encontrada para as cheias do Arrudas foi a ampliação e aprofundamento do canal, acreditando-se que estariam solucionando todos os problemas de drenagem.

Após 30 anos sem que o Arrudas saísse de sua calha, uma chuva intensa ocasionou graves impactos na estrutura de drenagem da cidade no réveillon de 2009, com vítimas fatais.

Teria sido a chuva a única causadora de um pico de vazão capaz de provocar tamanha catástrofe? Por que voltaram a acontecer inundações em Belo Horizonte?

Na realidade, os impactos das cheias urbanas ocorrem devido à combinação de diversos fatores naturais e antrópicos: alta declividade, intensidade, duração, distribuição espaço-temporal e frequência das chuvas, tipos de solo e condições antecedentes de umidade, cobertura vegetal, erosões e assoreamentos, ocupação irregular de planícies e várzeas, disposição irregular de resíduos, obras de engenharia – retificação, canalização, impermeabilização e urbanização.

Com a impermeabilização não há grandes volumes de infiltração. Assim, as águas atingem os canais de drenagem mais rapidamente.

A impermeabilização também contribui para o agravamento do problema ao transferir os alagamentos de montante (rio acima) para jusante (rio abaixo) e aumentar a velocidade da água nas estruturas cimentadas e asfaltadas.

Necessitamos minimizar os impactos decorrentes das chuvas, adotando novas tecnologias de drenagem, como medidas estruturais de reservação e contenção, telhados armazenadores, poços de infiltração, e também com gestão e educação ambiental.

Nossos rios já foram transformados em ruas e avenidas. Precisamos adotar medidas urgentes e simples, como a redução de áreas impermeáveis de nossos quintais, lotes, ruas, bairros e cidade.

*Professora do Centro Universitário Una, Doutora em Ciências em Engenharia Civil/Recursos Hídricos

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

VEJA TAMBÉM

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!

FIQUE POR DENTRO DE TUDO !

Não saia antes de se cadastrar e receber nosso conteúdo por e-mail diariamente