Segundo Pinho, setor registrou, em 2019, avanço de 20% - Crédito: Divulgação

Minas Gerais continua se destacando no mercado de startups nacional. Segundo estado em concentração de empresas inovadoras no Brasil, com 1.096, as cidades mineiras ficam atrás apenas de São Paulo, que reúne 3.787 startups. Em Minas, os principais negócios estão em Belo Horizonte, Uberlândia, Juiz de Fora e Uberaba.

De acordo com a Associação Brasileira de Startups (ABStartups), Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro também integram o top 4 nacional, com 918 e 839 startups, respectivamente. No País, o número já chega a 12.849.

Segundo o presidente da entidade, Amure Pinho, o setor segue aquecido e registrou, em 2019, avanço de 20% sobre o ano anterior, em termos de volume de negócios. Conforme ele, o amadurecimento natural das operações foi a principal mola propulsora deste crescimento, principalmente no que se refere à entrega de soluções, por meio da tecnologia, ao que o segmento se propõe.

Com isso, o mercado conseguiu se estruturar e ancorar o crescimento, com mais lucratividade, redução de custos e melhoria dos processos. “Ainda existe uma ineficiência em várias regiões do Brasil e as startups vieram para resolver esta lacuna. Prova maior é que hoje as pessoas usam serviços e produtos de startups para quase tudo em suas vidas: da alimentação ao transporte, da reserva de viagens ao ingresso de um show”, detalhou.

E, para este ano, as expectativas são ainda melhores. Isso porque, conforme o dirigente, além do próprio movimento do setor, haverá ainda melhores condições no cenário macroeconômico nacional, diante das perspectivas de melhora consistente da economia brasileira.

“Com a maior estabilidade na economia e a taxa de juros (Selic) em patamares inferiores nunca antes registrados, o segmento se torna ainda mais atrativo para os investidores. E pela lógica do mercado, com capital disponível, o domínio deste tipo de negócio sobre os tradicionais é só uma questão de tempo”, avaliou.

Em relação ao perfil, as empresas mineiras são principalmente dos segmentos de educação, agronegócio e finanças. O que há de comum entre elas é uso da tecnologia, seja para fazer a interface com o consumidor ou usuário final, ou então para a melhoria de processos internos nas empresas que contratam seus serviços.

A Sólides, especializada em gestão comportamental e recrutamento de colaboradores por meio de um software, é um dos destaques do setor em Minas Gerais. A empresa fechou 2019 com crescimento de 100% em relação a 2018 e, após receber um aporte de R$ 14 milhões em 2019 da DGF Investimentos, pretende novamente dobrar o faturamento neste ano.

A Intergado, startup que desenvolve e disponibiliza soluções de pecuária de precisão, encerrou o ano passado com crescimento de 39,7% no faturamento na comparação com o ano anterior. A empresa, que ao final de 2019 completou 10 anos no mercado, chega em 2020 com um novo objetivo: desenvolver soluções para suinocultura, avicultura e gado de leite, sem deixar de lado a especialização em pecuária de corte.

Já a Qranio, plataforma mobile que usa gamificação para estimular seus usuários com conteúdos educacionais, triplicou os grandes clientes – que representam 99% do faturamento da marca – e, por isso, o faturamento em 2019 cresceu 300% em relação a 2018.