Em 2020, New Holland prevê crescimento de 10%
A New Holland opera com 60% da capacidade em Contagem -

Com expectativa de crescimento de 10% neste ano, a New Holland, marca de máquinas para construção e infraestrutura da CNH Industrial, completa 70 anos em 2020. A empresa, que foca a inovação para continuar crescendo, conta com uma fábrica em Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), com capacidade de produção de 10 mil equipamentos por ano, sendo que, atualmente, utiliza 60% dessa capacidade. Ao todo, a marca tem 1.022 funcionários diretos. São 11 centros de pesquisa e distribuição espalhados em todo o mundo.

“Hoje, estamos bem próximos dos 40% ociosos, seguindo o que é uma tendência de mercado. Em relação ao crescimento, a gente se pauta muito nos números que são passados pela Sobratema, porque a construção desses números vem das fábricas mais importantes de construção. Não só a CNH, como os nossos concorrentes, vamos dizer assim, eles previram uma expectativa, conversando também com as empresas do setor. Nossa expectativa hoje está bem alinhada em relação à expectativa da Sobratema, que é o crescimento de 10%”, diz a vice-presidente da New Holland Construction para a América do Sul, Paula Araújo.

A vice-presidente destaca ainda: “Se a gente for falar no que a gente acredita em relação ao investimento, e aí falando de infraestrutura, a CNH estima que em torno de 3% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro deveria ser minimamente aplicado para que a gente volte aos primórdios do setor de construção e tenha um crescimento sustentado”, diz ela.

 

Potencial – Durante os anos de 2015 e 2017, a New Holland entrou em um ciclo de investimentos. A fábrica passou por um processo de modernização na linha de montagem, na área de solda e usinagem, em projetos de engenharia, entre outros. Em 2017, um aporte de R$ 36,5 milhões resultou em seis novos modelos da linha Série C EVO, de 13 a 50 toneladas.

Conforme explica Paula Araújo, para 2020 não está previsto nenhum grande lançamento, mas já existem “várias oportunidades em teste”, diz ela, que também menciona que este ano não deve contar com investimentos da mesma ordem deste último realizado em grande escala.

Além disso, frisa a vice-presidente da New Holland Construction para a América do Sul, há um grande potencial de crescimento no Brasil. O setor de construção, o de locação, com uma movimentação maior de terceirização da frota, e o mercado agrícola são algumas das áreas que devem contribuir para alavancar a expansão do segmento.

Muito se fala também acerca da indústria 4.0, das novas tecnologias e como elas podem contribuir para o crescimento das marcas, gerando novas oportunidades. “Com a chegada do 5G, na verdade pelo o que estão falando aí, do 4.0, já temos essa tecnologia em funcionamento em outras partes do mundo. Assim que o nosso mercado estiver apto para essa aceitação é somente, efetivamente, a gente trazer. É importante entender a maturidade do mercado para receber quando a gente fala de tecnologia. Não adianta só a gente ter, é necessário que ela seja utilizada”, diz Paula Araújo.

Desafios – Por fim, quando se fala em desafios, Paula Araújo ressalta que a estabilização da taxa de juros, o que tem sido uma realidade no Brasil, já traz uma confiança para o investidor. “Eu diria que o nosso desafio agora é uma retomada concreta porque a gente tem todas as condições mercadológicas para que isso aconteça e necessidade, sem sombra de dúvida”, destaca.