CREDITO:ALISSON J. SILVA

Embora os últimos anos não tenham sido os melhores para o setor da construção pesada, as perspectivas para 2020 são de mudanças positivas nesse cenário.

De acordo com o presidente do Sindicato da Indústria da Construção Pesada no Estado de Minas Gerais (Sicepot-MG), Emir Cadar, atualmente, há todo um quadro que aponta para dias mais promissores, que abrange desde as expectativas de obras da prefeitura até as reformas governamentais.

“Houve melhora das condições do mercado. Podemos citar como exemplo a reforma trabalhista, o plano de recuperação fiscal do Estado, pois aí sobraria verba para investimentos em infraestrutura, entre outros”, diz ele.

Esse maior otimismo chega em um momento importante, depois de o segmento atravessar anos com números nada animadores. Conforme o DIÁRIO DO COMÉRCIO noticiou em julho do ano passado, nos últimos cinco anos à época, o faturamento do setor havia retraído no mínimo 50%.

“De 2014 até agora registramos muitas perdas. A construção pesada, em minha opinião, é o setor mais importante da economia. Isso porque ele gera empregos e move toda a economia do País. Estamos sofrendo muito com essa crise, mas temos esperança de que, a partir de 2020 para frente, haja uma retomada”, disse Emir Cadar, na ocasião.

Concessões – Chegado o ano que prometia um cenário mais positivo para o segmento, outro fator que deve colaborar para isso, além dos já mencionados, são as concessões. “Acreditamos que vai ter esse movimento de concessão, gerando muito trabalho para a construção pesada”, frisa o presidente do Sicepot-MG.

Entretanto, enfatiza Emir Cadar, é preciso que o governo também invista em infraestrutura. “Se ficar achando que é só concessão, a população vai sofrer com falta de obra”, destaca. “Fala-se muito em concessão, mas se não tiver junto a isso o investimento público, nós não vamos longe no que o Brasil precisa para retomar. Se não tiver malha rodoviária, ferroviária, fluvial para escoar a produção, nós continuaremos um País que não será competitivo”, completa.

Falando especificamente dos setores que devem se mostrar promissores e que já vêm se revelando mais positivos, o presidente do Sicepot-MG menciona a mineração. “Os preços do minério estão melhorando, há uma expectativa melhor. Houve mudanças nas regulamentações das barragens, o que gerou vários contratos”, ressalta.

Outro segmento que tem gerado perspectivas mais animadoras, diz Emir Cadar, é o de saneamento.

Projeção – O ano de 2020 promete ser melhor do que os anteriores. No entanto, o presidente do Sicepot-MG afirma que ainda não se deve chegar aos patamares mais altos como os já alcançados anteriormente. “Será um ano melhor. A gente passou quatro anos praticamente parados, sucateando nossos equipamentos”, salienta.