Crédito: Divulgação

Flávio Vinte *

Início de ano é época de renovação, promessas e planejamento, tanto para a vida pessoal quanto para os negócios. Porém, do ponto de vista empresarial, antes de começar a pensar nas estratégias e propósitos de 2020, é fundamental avaliar como foi o ano que passou para sua empresa. Esse é o primeiro passo para um planejamento anual eficaz. É preciso avaliar quais metas foram atingidas e quais não foram alcançadas; quais as ações que contribuíram para o sucesso de cada objetivo; qual foi o desempenho dos colaboradores; e o que pode ser melhorado ao longo do próximo ano.

É a partir disso que a organização toma conhecimento de qual é o seu status atual. Além de descobrir se obteve lucro ou prejuízo, as companhias detectam o estado do seu patrimônio e o que é indispensável para o próximo período.

O balanço também permite avaliar de forma exata o capital que o negócio terá disponível para dedicar às suas atividades nos próximos 12 meses. Esse planejamento é indispensável para que o negócio continue lucrativo e sustentável.

Após esse balanço, outra estratégia para se preparar para os próximos desafios é traçar metas e objetivos de curto, médio e longo prazos, mas é preciso que eles sejam mensuráveis. Por exemplo, prefira metas como: “aumentar em 30% o faturamento da empresa em seis meses” do que, simplesmente, “aumentar o faturamento”. Isso é fundamental para que os resultados sejam medidos de forma mais precisa.

Além disso, “reciclar” metas que não foram alcançadas no ano anterior é uma oportunidade de pensar em outras maneiras de chegar ao resultado desejado.

Ao realizar um planejamento anual para os negócios, é fundamental estar atento aos investimentos que precisam ser feitos para se manter em um mercado competitivo. E encarar os desafios do próximo ano requer estratégias voltadas, principalmente, para a inovação.

E essa não é uma demanda recente. Conforme o estudo “2018 Global Innovation 1000”, realizado pela PwC, os aportes globais em pesquisa e desenvolvimento chegaram a R$781 bilhões no ano anterior. E em 2020 não será diferente.

A projeção é que o ano será marcado por diversas iniciativas inteligentes, inovadoras e tecnológicas, como a automação de processos robóticos (RPA), que permite delegar tarefas repetitivas aos robôs; inteligência artificial, que tem ajudado equipes de tecnologia a solucionar problemas complexos nas empresas; edge computing, ou computação de borda, que permite às organizações processarem um volume maior de dados de modo mais rápido e eficiente; DataOps, que chegou recente ao mercado e auxilia a melhorar a qualidade e reduzir o tempo em uma análise de dados, entre outras.

Diante disso, é essencial incluir no planejamento uma estratégia que inclua essas tendências, ou mesmo que contemple a inovação.

*Empreendedor e CEO da Vivaçúcar