Companhia pagará cotas financeiras de novembro e dezembro aos municípios afetados pela tragédia com base na arrecadação da Cfem | Crédito: REUTERS/Washington Alves

A Vale renovou nessa quinta-feira (17), por mais dois meses, o apoio econômico temporário às cidades mineradoras que tiveram as suas atividades paralisadas após o rompimento da barragem do Córrego do Feijão, em Brumadinho, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), em acordo feito na reunião com a Associação dos Municípios Mineradores de Minas Gerais e do Brasil (Amig).

Em nota, a empresa informou que “as cotas são referentes aos meses de novembro e dezembro de 2019. Os valores foram acordados, individualmente, com as prefeituras tendo como base a Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais (Cfem) recolhida antes da paralisação das atividades da empresa nessas cidades. Os termos do acordo para 2020 ainda estão sendo discutidos”, disse a mineradora.

O consultor de Relações Institucionais da Amig, Waldir Salvador, afirmou que “a reunião foi muito boa. Nós temos, realmente, uma abertura e uma relação de clareza e ética com a Vale, especialmente depois do ocorrido em Brumadinho. A Vale atendeu as nossas reivindicações da continuidade da reposição da Cfem para os dois últimos meses de 2019, vai fazer isso nos próximos dez dias. Está no conselho da Vale a análise para reposição durante o ano de 2020, já que ela não retomou as suas operações nas nossas cidades; nós vamos aguardar isso nos próximos 30 dias. Mas deixamos muito claro para a Vale que os municípios não trabalham com outra hipótese a não ser a continuidade. Nós não sobreviveríamos sem isso ”, disse.

Outro assunto debatido durante a reunião de ontem foram as perspectivas em relação à retomada das operações da Samarco em Mariana. “A retomada da Samarco vai acontecer no terceiro trimestre deste ano. Vai retomar com 30% da produção, via seco. Não tem necessidade mais de barragem para descontaminação e limpeza do minério. Então, é uma boa notícia também”, destacou.

O compromisso com o não desligamento de funcionários da mineradora nas cidades que tiveram as atividades suspensas também foi algo pontuado. “Em relação à estabilidade dos empregos nas nossas cidades, como o convênio que ela tem com os sindicatos vai vigorar até maio deste ano, nós vamos retomar o assunto a partir do mês de março ou abril”.

O consultor de Relações Institucionais da Amig conclui que estão “saindo da reunião parcialmente atendidos, com uma expectativa de que nos próximos 30 dias, de fato, a Vale vai atender nossa reivindicação e repor toda a perda de Cfem prevista para o ano de 2020”.

Histórico – De acordo com a Amig, em abril do ano passado, já havia sido feito um acordo de apoio financeiro com a Vale, que realizou dois investimentos de R$ 100 milhões cada em dez municípios: Barão de Cocais, Brumadinho, Belo Vale, Itabira, Itabirito, Congonhas, São Gonçalo do Rio Abaixo, Mariana, Sarzedo e Nova Lima.