Crédito: Divulgação/Unica

O Valor Bruto da Produção Agropecuária (VBP) de Minas Gerais encerrou 2019 em R$ 61,9 bilhões, valor 1,8% inferior ao obtido no ano anterior. A queda no resultado total é reflexo da retração verificada na pecuária, que caiu 1,4%, e na agricultura, com redução de 2%.

Dentre os produtos, o VBP do café ficou 27,6% menor, causando impacto negativo, uma vez que o grão é o principal produto do agronegócio estadual, respondendo por 28,2% do VBP das lavouras locais.

A agricultura respondeu por 62,8% do VBP e a pecuária, por 37,1%. De acordo com os dados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), o VBP da agricultura, em 2019, ficou em R$ 38,98 bilhões, retração de 2% frente a 2018, quando o faturamento das lavouras atingiu R$ 39,79 bilhões.

Café – Uma das influências negativas na composição do VBP da agricultura veio da queda na safra de café. No ano passado, a produção de café ficou em torno de 24,55 milhões de sacas de 60 quilos em Minas Gerais, volume 26,4% inferior quando comparado com a safra anterior, que rendeu 33,3 milhões de sacas. Com previsão de safra menor, o VBP da produção de café em 2019 somou R$ 10,9 bilhões, variação negativa de 27,6%.

Outro produto importante que apresentou queda foi a soja. O VBP da oleaginosa retraiu 9% e o faturamento chegou a R$ 6,66 bilhões, ante R$ 7,3 bilhões registrados em 2018. A oleaginosa responde por 17,5% do VBP das lavouras do Estado.

Segunda maior representatividade no VBP das lavouras, a produção de cana-de-açúcar apresentou faturamento positivo em 2019. De acordo com os dados do Mapa, o VBP da cana chegou a R$ 6,8 bilhões, aumento de 6,8% ante os R$ 6,3 bilhões registrados em 2018. A cana respondeu por 17,5% do faturamento das lavouras.

Os ganhos com a produção de milho chegaram a R$ 4,59 bilhões, variação positiva de 11,1% sobre 2018, quando o VBP ficou em R$ 4,1 bilhões. O cereal responde por 11,8% do faturamento da agricultura no Estado.

Ao longo de 2019, a produção crescente e a demanda no mercado aquecida contribuíram para que o VBP do algodão herbáceo crescesse 50,3%, com faturamento da produção alcançando R$ 1,1 bilhão.

Resultado favorável também foi visto na batata-inglesa. O VBP cresceu 112,4% e atingiu R$ 2,79 bilhões. No caso do feijão, o faturamento da cultura encerrou 2019 em R$ 1,9 bilhão, alta de 98,2%. Na produção de banana, a alta foi de 24,3% e o VBP fechou em R$ 1,69 bilhão. A cultura do tomate apresentou VBP de R$ 1,33 bilhão, aumento de 1,1%.

Pecuária – De acordo com os dados do Mapa, o VBP da pecuária de Minas Gerais alcançou R$ 22,9 bilhões no último ano, valor 1,4% inferior aos R$ 23,2 bilhões registrados em 2018.

No ano passado, o VBP da produção de suínos não foi calculado pelo Mapa. Sem considerar o desempenho da produção de suínos em 2018, o VBP das outras atividades da pecuária chegou a R$ 21,4 bilhões. Comparando com 2019, cujo valor é de R$ 22,9 bilhões, sem os suínos, houve um avanço de 7%.

Dentre os produtos, destaque para o VBP da produção de ovos, que cresceu 24,6% e atingiu um faturamento de R$ 1,3 bilhão. Em bovinos, os ganhos encerraram 2019 em R$ 7,4 bilhões, 6,7% superior aos R$ 6,9 bilhões de 2018.

O leite, que é responsável por 40,6% do VBP da pecuária, fechou o último ano com um faturamento de R$ 9,36 bilhões, variação positiva de 1,8% sobre 2018.

Na produção de frangos, foi verificada alta de 15,8%, com o faturamento da atividade calculado em R$ 4,8 bilhões.