Empresa conta atualmente com cinco franquias na região metropolitana e duas lojas próprias em Belo Horizonte - Crédito: Pedro Duarte

A estratégia de expansão no Estado por meio de franquias, adotada pela Ypslon, loja especializada na venda de roupas femininas, desde o segundo semestre do ano passado, deu tão certo que, em breve, a empresa terá outras unidades espalhadas pelo Brasil.

A marca, que já tem duas lojas próprias na Capital e cinco franquias na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH) e no interior do Estado, pretende encerrar o exercício com pelo menos 20 pontos de vendas em todo o País.

De acordo com a proprietária da Ypslon, Joyce Rocha, somente para o primeiro semestre deste ano já estão previstas mais cinco lojas em Minas Gerais. No mês que vem será inaugurada a unidade de Itabirito e entre abril e maio, a de Contagem – ambos municípios da RMBH. No fim de 2019 foram inauguradas as lojas Ypslon Barreiro, Pedro Leopoldo, Sete Lagoas, Lagoa Santa e Betim.

“Logo que lançamos o projeto de expansão, em meados do ano passado, percebemos o sucesso. Tivemos muitos interessados e o dobro de contratos assinados em relação ao estimado inicialmente. Assim, estamos prevendo 20 para este exercício, mas não me espantaria se encerrássemos 2020 com 30 ou 40 lojas”, disse.

Tamanho otimismo por parte da empresária já reflete em outras ações. Conforme ela, enquanto na primeira metade deste ano a política de expansão seguirá focada na Grande Belo Horizonte e interior do Estado, a partir do segundo semestre, as franquias chegarão a outras partes do Brasil.

“Já há interessados de outros estados, mas precisávamos estruturar o crescimento antes de partir para outras regiões. Como o negócio da Ypslon inclui a chegada de mercadorias quase diariamente, estamos desenvolvendo a logística e antecipando as compras, de maneira a garantir a qualidade do abastecimento em qualquer canto do País”, ressaltou.

Assim, neste primeiro momento, a marca já começou a divulgar no Instagram os requisitos para quem deseja ter uma franquia da marca. As regras incluem que a instalação ocorra em cidades distantes até 250 quilômetros de Belo Horizonte e com população superior a 80 mil habitantes. O processo de seleção também mudou.

“No ano passado, pedimos que os interessados enviassem e-mail e somente depois fomos conferir o perfil de cada um. Agora, disponibilizamos um número de WhatsApp e pedimos que as pessoas enviassem um áudio ou um vídeo se apresentando, falando a cidade de interesse e motivo de querer ter uma Ypslon, eliminando algumas etapas. Só no primeiro dia foram mais de 500 contatos”, revelou.

Joyce Rocha disse ainda que também são pré-requisitos: dedicação plena, ser morador da cidade de operação e ter experiência em comércio. Para isso, é necessário aporte de capital entre R$ 450 a R$ 650 mil. O valor da taxa de franquia é R$ 70 mil e a marca fica com 7% de royalties, mais 2% de marketing. A previsão de retorno é de 12 a 24 meses e a área mínima dos imóveis para abrigar os empreendimentos é de 100 a 400 metros quadrados.

Conversão – A Ypslon também estendeu a possibilidade para conversão de marcas próprias em uma loja da rede. “Tivemos muitos interessados em adotar a bandeira. Como o nosso plano agora prevê diversas lojas em várias regiões, poderemos ter unidades menores, com os produtos e perfil da Ypslon”, justificou.

A empresária destacou que, mesmo com a expansão, a função de escolha das roupas permanecerá com ela, já que o diferencial está justamente no fato de todas as lojas da Ypslon venderem as mesmas peças em qualquer cidade. Além disso, a estratégia de comunicação nas redes sociais – que é um dos diferenciais da marca – também será mantida conjuntamente. “Em breve vamos lançar um espaço próprio para produção das nossas campanhas no Instagram”, revelou.

Em termos de desempenho dos negócios, ela disse que o faturamento por franquia depende da estrutura da unidade, mas citou que a empresa como um todo, aumentou 20% em 2019 sobre o ano anterior. E que a expectativa para este exercício é manter o ritmo de crescimento.