Crédito: Divulgação

A reutilização de resíduos resultantes de processos industriais em outras cadeias produtivas em substituição ao simples descarte na natureza é uma das alternativas viáveis para a sustentabilidade ambiental.

A partir dessa reflexão, a mestranda do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Materiais Cecília Balduíno, orientada pelo professor Paulo Renato Perdigão de Paiva, resolveu produzir rochas artificiais a partir de resíduos resultantes do rompimento da barragem de Fundão, em Mariana, região Central de Minas Gerais.

O resultado desse trabalho, intitulado “Produção de rocha artificial utilizando resíduos provenientes do processamento de minério de ferro”, foi apresentado em fevereiro deste ano.

O material criado pela aluna é amplamente utilizado no ramo da construção civil, podendo ser empregado em bancadas da cozinha, na cuba do banheiro ou em outros cômodos de um imóvel, além de ser útil na decoração de interiores. Segundo a pesquisadora, são muitas as vantagens em trocar a rocha natural pela artificial, como por exemplo, a aparência homogênea do material e a infinita gama de cores e acabamentos disponíveis.

Outra vantagem apontada por Balduíno é que as rochas artificiais possuem pouca porosidade, boa resistência mecânica, não mancham e são de fácil manutenção e limpeza, além de dispensarem emendas, fornecendo uma ótima possibilidade de acabamento.

Não foi a primeira vez que a jovem buscou o reúso e reciclagem de subprodutos como forma de contribuir para a manutenção do equilíbrio ambiental. Na graduação, em seu Trabalho de Conclusão de Curso, produziu carvão ativado de osso bovino como alternativa para o tratamento da água eliminada durante os processos industriais de um frigorífico.

“Antes de se submeter qualquer matéria-prima a um processo industrial, é necessário ter consciência e responsabilidade da forma como seus subprodutos serão descartados. Infelizmente, poucas são as empresas que se preocupam em dar essa finalidade correta”, avalia a mestre em engenharia de materiais.

Continuidade da pesquisa – O trabalho da pesquisadora resultou em um artigo a ser publicado em breve pela Revista Cerâmica. A jovem tem pretensão de produzir outros artigos trazendo os demais dados obtidos durante o desenvolvimento da pesquisa. Ela também pretende continuar estudando o tema, a fim de alterar o percentual de alguns componentes, reproduzir novos testes e identificar pontos de melhoria no produto em busca de um material de excelência. (Da Redação)