As empresas que mais sofrem com a crise econômica causada pela pandemia do novo coronavírus são as micro e pequenas, além das MEIs, justamente estas que respondem por nada menos do que 60% dos quase 100 milhões de empregos gerados no País, segundo dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Atentos a este quadro tão desafiador, os empreendedores Cláudio Tieghi e Fábio Fiorini criaram o projeto “Adote um Pequeno Negócio” que, por meio de uma plataforma inteligente, tem por objetivo minimizar o impacto financeiro e a crise que se instaurou mais acentuadamente nesse segmento.

A premissa é buscar alavancar os negócios dos empreendedores individuais e das micro e pequenas empresas de forma a promover um impacto social positivo, rápido e eficiente para que retomem e ampliem suas vendas de maneira profissional e disciplinada. Em sua primeira etapa, o “Adote um Pequeno Negócio” busca impactar positivamente 35 mil pequenos negócios.

“No projeto, pessoas físicas e jurídicas poderão colaborar selecionando um pequeno negócio em qualquer região do Brasil com uma cota-doação única de R$ 9,90”, explica Tieghi.

O pequeno negócio que for adotado receberá consultoria no intuito de profissionalizar seus processos para alavancá-los rapidamente. O empresário passará a ter o controle das tarefas diárias de sua empresa, através de uma plataforma inteligente de formação comercial para vendas de curto prazo. Além disso, receberá um kit inicial contendo um livro e informações para acessar um guia de implantação passo a passo e se conectar ao movimento.

O livro “Manual do micro e pequeno negócio em tempos de pandemia”, de autoria de Fabio Fiorini, traz diferentes ferramentas para serem implementadas no cotidiano dessas empresas de forma descomplicada, além de ensinar a criar uma rotina para aumentar as vendas e ajudar a solucionar a maioria dos problemas causados pela crise que se instaurou nesse período. Os direitos autorais do livro serão inteiramente doados às empresas adotadas pelo projeto.

“Para adotar uma empresa, sendo pessoa física, é necessário inicialmente investir R$ 9,90 ou mais. Em seguida, o investidor recebe um livro para presentear um outro empreendedor, além de ter acesso à plataforma para acompanhar o dia a dia da empresa que adotou. O nome da cada pessoa que fizer a adoção irá aparecer na página dos doadores, além de receber um certificado”, resalta Fiorini.

Já as pessoas jurídicas podem adotar múltiplos da mesma cota-doação única de R$ 9,90 a partir de R$ 5 mil.

A plataforma ainda quer formar uma grande rede de colaboração, que visa criar oportunidades para que doadores e beneficiados possam conhecer as diferentes iniciativas para essa retomada e compartilhá-las de forma criativa e colaborativa. (Da Redação)