Roscoe: construímos para a indústria uma política de inovação | Crédito: Alisson J. Silva/Arquivo DC

O Fiemg Lab 4.0 finalizou a segunda jornada com resultados positivos, obtidos a partir de ações pioneiras e capazes de promover inovação e competitividade para a indústria. Foram R$ 7,8 milhões em negócios gerados.

Ao todo, 76 indústrias contrataram 25 startups, com 96 testes e implantações de soluções tecnológicas diretas para o setor industrial. Uma indústria fez aquisição de uma das startups participantes e outra fez sociedade com uma indústria madrinha.

De forma pioneira no País, inspirado nos grandes polos industriais internacionais, o Fiemg Lab implementou no Brasil um modelo de aceleração tecnológica combinada à aceleração de negócios.

Dessa maneira, foram fomentadas soluções diretas para a indústria. Esse modelo permitiu o impulsionamento das soluções tecnológicas das startups do programa e garantiu maior aderência delas à realidade do setor.

A segunda rodada do Fiemg Lab 4.0 começou em 2019, com a seleção de 50 startups para uma jornada compreendida por três fases classificatórias. A primeira, com duração de dois meses, focada na validação do negócio e aderência às expectativas das indústrias.

Vinte startups avançaram à segunda fase, que teve como foco a aceleração dos negócios e das tecnologias, bem como a implementação de Provas de Conceito (POCs) nas indústrias. A terceira e última fase, contou com 10 startups e focou na tração, escala e implementação das soluções dentro das empresas.

O Fiemg Lab 4.0 contou quatro indústrias madrinhas: Cemig, Gerdau, RHI Magnesita e Vale. A gerente do programa, Mariana Yazbeck, explica que essas empresas foram fundamentais para o sucesso da ação.

“Elas acreditaram e investiram no programa, conectando-se amplamente às startups, investindo em um fundo para POCs e ajudando a moldá-lo para que as soluções das startups alcançassem elevado grau de pertinência à indústria. São mais do que parceiras, mas correalizadoras deste trabalho desafiador e capaz de transformar realidades”, celebra.

Para o presidente da Fiemg, Flávio Roscoe, a segunda rodada do Fiemg Lab foi um sucesso para Minas Gerais e para o Brasil.

“Atuamos de forma acertada construindo para a indústria uma política de inovação que permitiu a melhoria real do ambiente de negócios no Estado. Não foi por acaso que contamos com empresas do porte da Vale, da Cemig, da RHI-Magnesita e da Gerdau como parceiras e madrinhas do projeto”, afirma.