COTAÇÃO DE 17/09/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,2820

VENDA: R$5,2820

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,3100

VENDA: R$5,4500

EURO

COMPRA: R$6,2293

VENDA: R$6,2322

OURO NY

U$1.754,86

OURO BM&F (g)

R$298,96 (g)

BOVESPA

-2,07

POUPANÇA

0,3012%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Inovação Inovação-destaque livre
O CEO Bruno Zanetti observa que o momento atual é de repensar a forma de atuação | Crédito: Divulgação
Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

A tecnologia tem se mostrado uma grande aliada para o dia a dia desse período de quarentena, provocado pelo avanço do Covid-19. Para a Holobox, startup investida pelo BMG UpTech, este momento tem sido de desafios, tanto para atender novas demandas dos clientes quanto para aperfeiçoar os recursos da ferramenta já disponibilizada ao público.

A empresa é a desenvolvedora de um projetor de hologramas interativo, que cria imagens virtuais ao redor de objetos, voltado tanto para o entretenimento quanto para eventos corporativos.

PUBLICIDADE

O equipamento ultrarrealista tem sido uma alternativa importante para minimizar o isolamento social. Como a aglomeração de pessoas está contraindicada nesse período, existe uma grande demanda, por exemplo, de instituições religiosas que buscam manter cultos, missas e outros encontros de maneira virtual.

“Trabalhamos em melhorias e adaptações do hardware para que seja utilizado até mesmo pelo celular, com mais simplicidade e, consequentemente, com um valor mais apropriado para o cliente”, explica o CEO da Holobox, Bruno Zanetti.

Segundo ele, houve também um aumento na procura pelo aplicativo no mercado de business, inclusive para um período futuro, no pós-pandemia. O objetivo é utilizar as projeções holográficas em reuniões, palestras e conferências, aproximando as pessoas, mantendo as atividades e até mesmo reduzindo impactos financeiros.

Outro ponto forte da startup é trabalhar com action figures (bonecos de personagens), com vendas para colecionadores e amantes das culturas pop e nerd.

Além disso, Zanetti observa que o momento atual é de repensar a forma de atuação, buscar oportunidades e observar as falhas dos processos internos, a fim de aperfeiçoar o desenvolvimento da tecnologia e de otimizar os produtos.

Criada em Belo Horizonte há quatro anos, a Holobox marca presença em todo território nacional e conta com clientes espalhados em 19 países do mundo, como Alemanha, Canadá, França, Estados Unidos, Japão, Vietnã, entre outros. (Da Redação)

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!