COTAÇÃO DE 07/05/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,2280

VENDA: R$5,2290

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,2070

VENDA: R$5,3830

EURO

COMPRA: R$6,3509

VENDA: R$6,3522

OURO NY

U$1.831,42

OURO BM&F (g)

R$307,84 (g)

BOVESPA

+1,77

POUPANÇA

0,2019%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Inovação zCapa
O papel dos empreendedores do setor de saúde ganha maior visibilidade com a disseminação do Covid-19 | Crédito: REUTERS/Callaghan O'Hare

A busca pela cura e uma vacina contra o Covid-19 em todo o mundo e a necessidade de produzir soluções diversas para o campo da saúde, desde a produção de equipamentos de proteção individual (EPIs) usando impressoras 3D, até a melhoria dos fluxos hospitalares, jogou luz sobre empresas que já existiam, mas passavam despercebidas pela maior parte da população: as health techs ou startups voltadas para a área de saúde.

A comoção mundial alcançou esses empreendedores acostumados a colocar a tecnologia a serviço de soluções rápidas e objetivas de diferentes maneiras. Há os que contribuem no desenvolvimento de novas soluções, os que resolveram ajudar e descobriram novas verticais de negócios e os que receberam novas demandas para o que já faziam.

PUBLICIDADE

A verdade, segundo o CEO do BiotechTown, Bruno Andrade, é que a maioria já estava em plena ação e agora ganhou os holofotes da mídia e um interesse muito mais aguçado de possíveis investidores.

Sediado em Nova Lima, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), desde 2018, o BiotechTown é um hub de inovação em biotecnologia e ciências da vida construído por meio do investimento da Fundação de Desenvolvimento da Pesquisa (Fundep), através da Fundep Participações S/A (Fundepar), e da Companhia de Desenvolvimento de Minas Gerais (Codemge), através da Codemig Participações S/A (Codepar).

“Eu não diria que há um ‘boom’ das health techs, o que existe é um farol direcionado para elas. Essas empresas estão aí porque, desde que mundo é mundo, as pessoas querem desenvolver produtos para a melhoria de qualidade de vida. O que resta de bom – se é que podemos falar nesses termos – é que essa visibilidade ajuda a atrair investimentos. Instituições como a nossa são feitas exatamente para momentos como esse. Estamos lançando a terceira chamada para startups. Isso está acontecendo porque já estava no calendário, mas claro que o processo vai ser impactado pelo cenário criado pela pandemia”, explica Andrade.

O BiotechTown faz chamadas anuais e seleciona 10 startups – por vez – para um programa de aceleração de um ano. São feitos aportes em capital e em tecnologia, mentoria, gestão e disponibilização de laboratórios. As inscrições começam dia 14 e as informações estão no site.

Para o diretor da Fundepar, Carlos de Oliveira Lopes Junior, esse é um cenário que pode gerar grandes oportunidades, porém é importante tomar cuidado com os oportunistas e com uma empolgação exagerada.

A Fundepar é a unidade de negócio da Fundep que atua na Gestão de Fundos de Investimento. Especializada no desenvolvimento de negócios inovadores de alto impacto com diferencial tecnológico, é a gestora do Seed4Science e apoia empresas em estágio inicial de desenvolvimento por meio do aporte de capital empreendedor e do suporte à gestão, com ênfase na transformação de tecnologias em produtos e serviços de alto valor agregado.

Oportunidades – “Aproveitar as oportunidades é diferente de ser oportunista. Adaptar a tecnologia é diferente de anular os seus planos. As startups devem ter muito cuidado com o caixa porque, além da imprevisibilidade do mercado, elas têm que ser ágeis para tomar as decisões e manter o foco. Atuamos muito próximo à gestão das empresas para trazer esse planejamento. A análise constante do cenário permite isso. Sabemos que algumas mudanças são temporárias e outras não. É preciso lidar com isso”, analisa Lopes Junior.

A avaliação do cofundador da Caravela Capital, Lucas de Lima, caminha no mesmo sentido. A Caravela Capital é um fundo de venture capital paranaense com foco em empresas tecnológicas early stage (em estágio inicial) de qualquer segmento no Brasil.

“A pandemia, com certeza, alterou o olhar e os investimentos sobre as startups. Podemos observar isso facilmente em mercados como o de vendas on-line, teleconferências e saúde, especialmente. As health techs já existiam e estão ganhando mais visibilidade agora. Consideramos o ecossistema de inovação de Belo Horizonte muito forte, inclusive com destaque para o segmento da saúde”, pontua Lima.

O conselheiro e diretor da Fundepar, Euler Santos, destaca a capacidade de atração de investimentos estrangeiros por parte das startups brasileiras, mas, também, que o caminho é dificultado pela falta de um ambiente de negócios propício para que essas empresas se desenvolvam.

“A atração de capital tem a ver com liquidez e historicamente nunca teve tanta. E tem a ver com a remuneração do capital e o risco. O fluxo de investimento em startups no Brasil é regulado e é muito mais positivo em capital internacional do que nacional. Para atrair parte desses investimentos para Minas criamos o BiotechTown. Pelo lado da academia, tem toda uma burocracia de protocolos que a universidade não sabe e não tem como fazer. Uma startup também não sabe. No Brasil não tem uma estrutura que ajude a fazer o registro do produto, então montamos uma. Fomos para os EUA, Europa e Israel para visitar estruturas similares. Vejo que no futuro o investimento privado em ciência vai se tornar mais relevante que o público”, analisa Santos.

Investimento estrangeiro – A estrutura do BiotechTown se presta também a receber empresas estrangeiras que escolheram o ecossistema de inovação mineiro para se desenvolver. A ideia, com isso, é fomentar o intercâmbio de conhecimentos e de profissionais. A indiana Erba Mannheim está em território mineiro desde o ano passado.

O Country Manager da Erba Mannheim no Brasil, Tarcísio Vilhena Filho, elencou as razões para eleger o BiotechTown e o Estado para instalar a unidade:

“Infraestrutura completa de escritórios e salas de reuniões à disposição sem a necessidade de imobilização/aluguel de local próprio; possibilidade de utilização do CMO para em futuro próximo iniciar alguma linha de montagem da Erba no Brasil; ambiente oxigenado com a presença de empresas e startups que, eventualmente, podem trazer sinergias às necessidades operacionais ou estratégicas da Erba para o Brasil; o governo de Minas concedeu à Erba Brazil um importante benefício fiscal a partir do Corredor de Importação; conseguimos encontrar em Minas um operador logístico especializado na área de saúde (BHZ Log), que já possuía todas as certificações junto à Anvisa que dinamizou a implantação da operação no País, proporcionando uma economia de tempo equivalente a mais de 12 meses para iniciarmos as vendas no Brasil”, informou a nota.

Escassez de linhas de financiamento emperram o setor

Crédito: Divulgação/Detechta

Idealizada dentro dos laboratórios da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), a Detechta é uma empresa de base tecnológica voltada à pesquisa e desenvolvimento para a indústria de vacinas e de diagnóstico in vitro, tanto para o mercado humano quanto para o animal.

A empresa atua na fase inicial do processo, produzindo e nacionalizando insumos que via de regra são importados para a montagem de kits no Brasil.

Segundo uma das fundadoras da Detechta e também professora da Faculdade de Farmácia da UFMG e pesquisadora do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia de Vacinas (INCTV), Ana Paula Fernandes, muitas empresas já atuavam no desenvolvimento de vacinas de acordo com as demandas existentes e agora direcionam os esforços para atender a demanda gerada pelo Covid-19.

“As startups já estavam trabalhando e muitas se reposicionaram rapidamente para atender a essa nova demanda. Elas se tornaram mais uma alternativa para gerar produtos inovadores para o mercado. Nesse momento aquelas empresas que já tinham um certo grau de consolidação se destacam porque, de fato, a pandemia é um desafio enorme em termos de respostas rápidas e inovadoras. Vejo, porém, que ainda existem muitas limitações mesmo para as empresas que já vinham atuando, especialmente em relação aos financiamentos que não chegam e à burocracia imposta aos empreendedores”, explica Ana Paula Fernandes.

A própria Detechta enfrenta o problema. Há mais de dois meses, com o objetivo de produzir insumos para a cadeia produtiva de vacinas, ela vem discutindo o formato de um empréstimo bancário sem conseguir encerrar a negociação.

Apesar disso, a pesquisadora acredita que, de alguma forma, o atual cenário de caos seja capaz de gerar um ecossistema mais organizado no futuro, capaz de vencer os percalços impostos por uma economia e um sistema político instáveis e burocráticos.

“Nós trabalhamos na essência do processo, nacionalizando insumos, e três meses é muito tempo em um contexto de pandemia. Essa espera por uma resposta inviabiliza qualquer desenvolvimento científico que seja urgente. Tomara que as instituições aprendam que é preciso ter um gatilho diferenciado para esses momentos. Na universidade, como professora, vivia a angústia de não ver o conhecimento se transformar em produto que atendesse a necessidade das pessoas. Por isso virei empreendedora. Mas, ainda assim, continua difícil”, avalia.

Para o conselheiro e diretor da Fundep Participações S/A (Fundepar), Euler Santos, as startups de saúde estão preparadas.

“O segmento de diagnóstico ganhou uma visibilidade tal que foi para o noticiário. Ficou mais transparente para o público como essa indústria funciona. O segmento está estruturado, sólido. Como em qualquer área, vai haver consolidação e vão ficar os melhores”, pontua Santos.

O sucesso das empresas brasileiras e o próprio tamanho do mercado nacional vêm atraindo também a atenção das gigantes multinacionais.

“Trabalho muito com a área veterinária e o Brasil está sendo invadido por estrangeiros que estão comprando as empresas menores. Eles querem implantar a tecnologia deles ou adaptar, mas não querem absorver as tecnologias nacionais. Falta política pública e amadurecimento das leis. Falta, ainda, entender quais as startups que realmente estão desenvolvendo novas tecnologias e demandam investimento para trazer essa independência. O capital vai para onde dá resultado primeiro, mas é preciso ter os insumos e tecnologias estruturantes. Hoje, o disruptivo é a base do processo, é a sustentabilidade da cadeia produtiva daquilo que já está no mercado. O Brasil depende disso. Agora existe um posicionamento diferente das pessoas, da mídia e dos políticos a partir da pandemia. Cabem as perguntas: vai haver uma reversão dessa onda? Será só um reconhecimento ou a sociedade vai fazer uma opção de que o investimento nessas áreas é prioritário? Não basta só reconhecer, tem que investir. Investimento nessas áreas tem que ser política de Estado”, reclama a cofundadora da Detechta.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!