DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$4,9160

VENDA: R$4,9170

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,0000

VENDA: R$5,0980

EURO

COMPRA: R$5,2070

VENDA: R$5,2096

OURO NY

U$1.842,24

OURO BM&F (g)

R$291,42 (g)

BOVESPA

+0,71

POUPANÇA

0,6697%

OFERECIMENTO

Coronavírus Inovação livre

Startup paranaense desenvolve teste para Covid-19

COMPARTILHE

Crédito: NIAID-RML/Via REUTERS

São Paulo – A startup paranaense de equipamentos de saúde Hi Technologies, especializada em exames laboratoriais, está produzindo um lote de testes para diagnosticar o coronavírus, cujo avanço rápido no País tem ampliado a demanda por prevenção e detecção da doença.

Segundo o cofundador e presidente da companhia, Marcus Figueiredo, o teste foi validado há poucos dias e o primeiro lote chegará a alguns clientes na semana que vem, chegando depois a farmácias e hospitais de algumas das cidades mais populosas do País a partir de abril.

PUBLICIDADE




O procedimento de teste é feito de forma remota, com a amostra de sangue coletada em uma cápsula e introduzida com reagentes em um dispositivo portátil. O resultado é transmitido instantaneamente para um laboratório físico, onde os dados são processados com uso de algoritmos antes da emissão de um laudo. O resultado sai em até 15 minutos, ao custo de R$ 130, diz a empresa.

Segundo Figueiredo, o procedimento é compatível com testes rápidos anunciados há cerca de um mês na China, onde a doença surgiu na virada do ano. O nível estimado de precisão do teste da Hi é de 93% a 98%.

Diferente de alguns sistemas utilizados até agora no País permitem detectar a doença mesmo antes de uma pessoa ter sintomas da doença, a tecnologia da Hi é para casos em que o indivíduo já apresenta sintomas do coronavírus há pelo menos três dias.

A detecção é feita por meio de um anticorpo produzido pelo próprio indivíduo, e não do Covid-19.

PUBLICIDADE




Além da startup, hospitais e outras empresas de diagnósticos médicos brasileiros estão desenvolvendo seus próprios mecanismos de testes para o coronavírus. As empresas de diagnósticos médicos Fleury, Dasa e Hermes Pardini têm aplicado testes desde fevereiro.

De acordo com Figueiredo, esses recursos de diferentes instituições de saúde devem estar disponíveis no mercado nas próximas semanas, à medida que o número de casos da doença cresce rapidamente no País, elevando a procura das pessoas por testes em ambientes alternativos aos de hospitais públicos.

Até na quinta-feira, já foram contabilizadas sete mortes ligadas ao coronavírus no Brasil, sendo cinco em São Paulo e duas no Rio de Janeiro.

De acordo com Figueiredo, embora a demanda deverá crescer na mesma velocidade que o total de casos confirmados, o volume de testes deve crescer de forma planejada.

“A capacidade produtiva não é o maior desafio, mas não posso colocar 1 milhão de testes no mercado, porque essa é uma epidemia que deve ter vida curta”, disse o executivo. “No momento, estamos atendendo as encomendas.”

Criada em 2017, a Hi se apresenta como uma healthtech, plataforma de tecnologia de serviços de saúde. A empresa afirma que já está trabalhado com seu sistema de laboratório portátil com redes de farmácias incluindo RD, Pague Menos e Panvel para detecção de doenças como Aids, Zika, Chikungunya, dengue, hepatites e diabetes.

A startup tem uma equipe de 125 pessoas, incluindo farmacêuticos e engenheiros de medicina, com parte da equipe rodando o noticiário global sobre epidemias para eventualmente desenvolver testes para detecção delas.

A companhia tem entre os sócios a Positivo Tecnologia e os fundos de venture capital monashees e Qualcomm Ventures. (Reuters)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!