Crédito: Divulgação

Washington – O Banco Mundial reduziu nesta quarta-feira suas previsões de crescimento econômico global para 2019 e 2020, devido a uma recuperação mais lenta do que a esperada no comércio e no investimento, apesar de tensões comerciais mais brandas entre Estados Unidos e China.

O banco multilateral de desenvolvimento disse que 2019 marcou a expansão econômica mais fraca desde a crise financeira global de uma década atrás e que, apesar de expectativa de ligeira melhora, 2020 permanece vulnerável às incertezas sobre o comércio e sobre as tensões geopolíticas.

Em seu mais recente relatório Perspectivas para a Economia Global, o Banco Mundial reduziu em 0,2 ponto percentual as estimativas de crescimento econômico para os dois anos, com previsão de expansão de 2,4% em 2019 e de 2,5% em 2020.

“Este modesto aumento no crescimento global marca o fim da desaceleração iniciada em 2018 e que afetou pesadamente a atividade, o comércio e os investimentos globais, especialmente no ano passado”, disse Ayhan Kose, principal nome do Banco Mundial a fazer previsões econômicas. “Esperamos uma melhora, mas no geral também vemos uma perspectiva de crescimento mais fraca.”

As últimas estimativas do Banco Mundial levam em conta a chamada fase 1 do acordo comercial anunciada pelos Estados Unidos e pela China, que suspendeu novas tarifas dos EUA sobre bens de consumo chineses programados para 15 de dezembro e reduziu a tarifa de algumas outras mercadorias.

Embora a redução da tarifa tenha um efeito “bastante pequeno” sobre o comércio, espera-se que o acordo aumente a confiança empresarial e as perspectivas de investimento, contribuindo para uma recuperação no crescimento do comércio, disse Kose.

A expectativa é que o crescimento do comércio global melhore modestamente em 2020 para 1,9%, ante 1,4% em 2019 –o mais baixo desde a crise financeira de 2008-2009–, informou o Banco Mundial. Mas essa taxa ainda fica bem abaixo da média anual de crescimento do comércio de 5% desde 2010, segundo dados do Banco Mundial.

As perspectivas tanto para comércio quanto para crescimento econômico no geral permanecem vulneráveis a aumento nas tensões tarifárias EUA-China, bem como a crescentes apreensões geopolíticas.

Autoridades do Banco Mundial disseram que não foram capazes de estimar os efeitos sobre o crescimento de um conflito mais amplo entre EUA e Irã, mas disseram que isso aumentaria a incerteza, o que prejudicaria as perspectivas de investimento.

Ganhos em economias emergentes – Economias avançadas e mercados emergentes/em desenvolvimento também mostram perspectivas divergentes nas previsões do Banco Mundial.

A expectativa é que o crescimento nos Estados Unidos, na área do euro e no Japão desacelere ligeiramente para 1,4% em 2020, ante 1,6% em 2019 –redução de 0,1 ponto percentual em ambos os anos–, devido a uma contínua falta de vigor no setor manufatureiro e aos persistentes efeitos negativos de tarifas e medidas retaliatórias nos EUA.

Mas as economias de mercado emergentes deverão ter um aumento no crescimento –de 4,1% em 2019 para 4,3% em 2020–, embora ambas as projeções estejam 0,5 ponto percentual abaixo das feitas em junho.

Grande parte da melhora nos mercados emergentes é impulsionada por oito países, afirmou o Banco Mundial. O prognóstico é que Argentina e Irã saiam de recessões em 2020, e as perspectivas deverão melhorar para seis países que enfrentaram desacelerações em 2019: Brasil, Índia, México, Rússia, Arábia Saudita e Turquia. (Reuters)