Crédito: REUTERS/Mohamed Abd El Ghany

São Paulo – O Brasil começou 2020 com saída líquida de dólares, depois de registrar uma debandada em dezembro e o pior fluxo cambial da história no acumulado de 2019.

O fluxo cambial no País ficou negativo em US$ 384 milhões em janeiro, com base em dados de câmbio contratado divulgados pelo Banco Central (BC) nesta quarta-feira (5).

O número é resultado de superávit de US$ 1,133 bilhão nas operações comerciais (exportação menos importação) e déficit de US$ 1,518 bilhão no segmento financeiro -que envolve remessas de lucros e dividendos, empréstimos em moeda estrangeira, dentre outros.

Na semana passada, de 27 a 31 de janeiro, o fluxo cambial se mostrou negativo em US$ 374 milhões.

Em janeiro, o dólar saltou quase 7% e bateu sucessivos recordes históricos nominais, para perto de R$ 4,29, com analistas citando a aversão a risco no exterior e a carência de ingressos de recursos mais consistentes.

Em dezembro passado, o fluxo de câmbio contratado mostrou déficit de US$ 17,612 bilhões, o pior da história para o mês. Em todo o ano de 2019, o saldo foi negativo em US$ 44,768 bilhões, também um recorde.

Os dados do BC divulgados nesta quarta mostraram ainda que os bancos fecharam janeiro com posição vendida em dólar à vista de US$ 34,261 bilhões, já que precisaram prover liquidez ao mercado diante do fluxo cambial negativo.

Em todo o mês passado, o BC liquidou (no dia 3) a recompra de apenas US$ 24 milhões  referente a linhas de venda de moeda com compromisso de recompra. O BC não liquidou venda de dólares no mercado pronto.

(Reuters)