Dólar bate novo recorde depois de superar R$4,50 com tensão externa por coronavírus
Crédito: REUTERS/Ricardo Moraes

São Paulo – O Ibovespa teve nova queda nesta quinta-feira, noutra sessão volátil devido às preocupações com a propagação do coronavírus e seus reflexos na economia mundial, mas com bancos atenuando a pressão negativa, enquanto Ambev foi destaque de baixa após prognóstico de cenário difícil para o começo de 2020.

Índice de referência do mercado acionário brasileiro, o Ibovespa caiu 2,59%, a 102.983,54 pontos, mínima de fechamento desde 9 de outubro, após ter chegado a subir durante a sessão. O giro financeiro do dia somou 39,7 bilhões de reais.

“O movimento de hoje corrobora que, ao menos no curto prazo, a volatilidade veio para ficar”, afirmou o analista Ilan Arbetman, da Ativa Investimentos.

A queda foi bem menor do que os 7% na véspera, quando as ações brasileiras ajustaram-se a fortes perdas nos mercados globais no começo da semana, em meio à rápida disseminação do coronavírus para outros países além da China.

A equipe da gestora de recursos Safari Capital destacou que a volatilidade extrema dos últimos dias incomoda, mas ressaltou que momentos de pânico no mercado também abrem oportunidades.

Apesar do fechamento ainda negativo, o Ibovespa apresentou um melhor desempenho que o norte-americano S&P 500, que terminou o dia em baixa de 4,42%.

O Goldman Sachs cortou suas previsões para os lucros das empresas dos Estados Unidos em razão dos efeitos do coronavírus e agora espera estagnação em 2020 ante o ano passado.

O novo coronavírus atingiu principalmente a China, mas já se espalhou para mais de 40 países, incluindo os Estados Unidos. O Brasil confirmou na quarta-feira o primeiro caso de infecção em um paciente de São Paulo.

O ritmo de contágio nesses últimos dias trouxe apreensão quanto a um efeito na atividade global ainda maior do que o estimado quando os casos estavam concentrados na China, onde o cenário sugere desaceleração na velocidade de propagação. Algumas casas já cortaram previsões para o PIB global.

Agentes financeiros também monitoram o cenário político, incluindo a polêmica entre o presidente Jair Bolsonaro e o Congresso, após ele compartilhar vídeo que convite a população a participar de manifestações contra os parlamentares.

“O temor é que possa haver algum impacto no calendário de aprovação das reformas”, destacou a equipe da XP Investimentos.

Dólar – O dólar fechou em nova máxima histórica nominal nesta quinta-feira, chegando a superar 4,50 reais durante os negócios pela primeira vez, em meio a uma forte onda global de aversão a risco conforme se multiplicaram avaliações de que o coronavírus reduzirá o crescimento econômico mundial e afetará a atividade também no Brasil.

O Bank of America reduziu nesta quinta-feira sua perspectiva de crescimento econômico para o Brasil em 2020 para menos de 2%, enquanto o JP Morgan cortou a projeção ainda mais abaixo dessa linha, que muitos observadores dizem ser altamente sensível para o governo do presidente Jair Bolsonaro.

Um porta-voz do Fundo Monetário Internacional dissera mais cedo que o coronavírus claramente terá um impacto no crescimento econômico global e o FMI provavelmente reduzirá sua previsão de crescimento como resultado.

O real já vem sofrendo neste mês diante da piora nos cenários para a economia do Brasil, que reduzem o ânimo com a recuperação e, por tabela, podem prejudicar adicionalmente o quadro para fluxo cambial.

“O real piora mais, pois o governo/BC aqui acham que (a moeda) tem que desvalorizar”, disse o gestor de um grande fundo em São Paulo, citando ainda aumento de ruídos políticos locais entre Executivo e Legislativo.

O dólar à vista <BRBY> fechou em alta de 0,70%, a 4,4751 reais na venda, com folga superando o recorde anterior, de 4,4441 reais, alcançado na véspera.

Às 11h39, a cotação bateu 4,5030 reais, pico histórico intradia.

A alta da moeda nesta sessão é a sétima consecutiva, período em que acumulou ganho de 4,04%. É a mais longa série do tipo desde os também sete pregões de valorização entre 15 e 23 de agosto de 2018, quando o dólar somou alta de 6,62%.

No acumulado de 2020, o dólar dispara 11,52% ante o real, com a moeda brasileira amargando o pior desempenho dentre 33 pares do dólar. Em fevereiro, a alta é de 4,42%, a mais forte para o mês desde 2015 (+6,19%).

Tamanha valorização, contudo, já atrai algumas recomendações de compra para o real. A firma independente de investimento privado MRB Partners diz que o real já está excessivamente depreciado. Veja imagem a seguir:

Mais cedo, em ação de apoio ao real, o Banco Central vendeu 1 bilhão de dólares em contratos de swap cambial tradicional para conter a volatilidade. Na véspera, a autoridade monetária havia colocado 500 milhões de dólares nesses ativos, também em oferta líquida.

Estrategistas do Citi disseram terem visto fluxos de recursos em busca de retornos depois de o BC ter retomado as vendas de swaps, desde 13 de fevereiro. “Isso sugere que a performance mais fraca do real pode estar perto do fim”, disseram em relatório. (Reuters)