Crédito: Divulgação

Desapego total: a busca de uma mulher pelo autoconhecimento

Cabul, Afeganistão, princípio do século XXI: um sonho possível ou uma promessa de fuga? Para Maria, personagem principal da obra “Entre Cabul e a Dança das Borboletas”, publicada pela editora Edite, a cidade exótica é promessa de liberdade, mas talvez o preço seja alto demais. A obra, escrita pela paulistana Karina Manasseh, conta a história de Maria, uma diplomata que, após sofrer um trauma familiar, deixa o Brasil e passa a viver sem fincar raízes ou se permitir ao apego emocional em frequentes viagens pelo mundo.

Durante as viagens, Maria conhece um homem pelo qual se apaixona e que a faz revisitar as razões que a levaram a deixar para trás a bagagem emocional familiar e questionar escolhas e modo de vida. João é advogado de uma empresa multinacional, casado e com dois filhos pequenos. Ele administra uma vida estável em São Paulo com as viagens pelo mundo a serviço da empresa. O surpreendente encontro desses personagens e o romance que se segue dão o pano de fundo para embalar a história de autoconhecimento de Maria.

Apesar das rotinas de aeroportos parecidas e o interesse mútuo por novas culturas e experiências, Maria e João possuem estilos de vida diferentes. Os dois anos de encontros dos protagonistas misturam dois tipos de rotas de viagem opostas: uma mais turística devido ao romance e outra mais realista e séria devido ao trabalho de Maria, que inclui Cabul, Beirute, Islamabad ou La Paz.

É nas viagens da protagonista que o leitor se aproxima do enredo proposto pela autora, principalmente quando Maria está em Cabul, no deserto do Thar e na Bolívia. O conteúdo histórico destes momentos, misturado ao contexto de cada local e ao romance vivido pelos personagens torna a obra fascinante. A descrição das pessoas, países, culturas e comidas desperta o interesse do público que, além de romance, também gosta de História, turismo, política e gastronomia. (Entre Cabul e a Dança das Borboletas, Karina Manasseh, Editora Edite, 260 páginas, R$ 19,90 – e-book)

Livro conta a história das principais startups de Curitiba

Com o intuito de criar e inspirar novos empreendedores, a Cátedra Ozires Silva, com apoio da Agência Curitiba e Isae Escola de Negócios, acaba de lançar o livro “Startups e o Ecossistema Empreendedor Curitibano”, organizado por Fernando Antonio Prado Gimenez, John Jackson Buettgen e Maíra Oliveira Ruggi. A obra aporta o espírito empreendedor de jovens sonhadores que carregam em sua bagagem ideias arrojadas e o grande desejo de mudar o mundo.

A escolha da cidade se deu graças ao recente surgimento do Vale do Guadalupe, localizado nas proximidades do Terminal do Guadalupe, em Curitiba, que se tornou um polo de startups na capital paranaense. As empresas instaladas na região contam com um perfil jovem e dinâmico e se destacam pelo viés tecnológico e crescimento acelerado. Atualmente, o Vale do Guadalupe conta com várias startups e emprega mais de 1.100 pessoas, muitas delas vindas de outras cidades brasileiras encantadas pelo perfil inovador de Curitiba.

A obra, quinta publicação da Cátedra Ozires Silva, conta a trajetória de oito startups curitibanas: Adam Robo, Contabilizei, Ebanx, GoEpik, Laura Network, MadeiraMadeira, Olist e Smartgreen. O Ebanx, por exemplo, ganhou destaque nacional ao ser o primeiro unicórnio (startup avaliada em um bilhão de dólares) do Sul do Brasil. A empresa surgiu em 2012 processando cross-border (transfronteiriços) para negócios como Airbnb, AliExpress, Pipedrive, Spotify, Uber e Wish. Atualmente, a fintech conecta mais de 50 milhões de pessoas com mais de mil sites internacionais por meio de métodos de pagamento. (Startups e o Ecossistema Empreendedor Curitibano, organizado por Fernando Antonio Prado Gimenez, John Jackson Buettgen e Maíra Oliveira Ruggi, PUCPress – Editora Universitária Champagnat, 140 páginas, R$ 19,90)

União e ancestralidade

Um menino negro deixa seu pequeno planeta, onde vive em companhia de uma sagrada árvore baobá, e chega à Terra na carona de uma pipa. No novo mundo, com seu olhar apurado, começa a questionar as relações humanas, claramente permeadas por grandes preconceitos e dificuldades. Surpreso, ele decide compartilhar com as crianças que encontra os ensinamentos do Ubuntu, uma filosofia que incentiva a união por meio de concepções como “eu sou porque nós somos”.

Essa é a história de “O Pequeno Príncipe Preto” (editora Nova Fronteira), que marca a estreia na literatura do ator, diretor, filósofo e agitador cultural Rodrigo França. Sua trama foi desenvolvida em diálogo direto com “O Pequeno Príncipe Preto”, clássico do francês Antoine de Saint-Exupéry, mas passa a incorporar aspectos da cultura afro-brasileira, chamando a atenção para temas como ancestralidade, religiosidade, autoamor e união das diferenças. São assuntos que Rodrigo aborda com frequência em suas redes sociais e que, nesta obra, ajudam as crianças a pensar na importância de suas origens.

O texto de Rodrigo França foi escrito, a princípio, como uma peça de teatro – que tem viajado o Brasil e já atraiu mais de 60 mil espectadores. Poética, lúdica e delicada, a história de “O Pequeno Príncipe Preto”, agora adaptada para o formato de prosa, vai certamente emocionar leitores de várias faixas etárias. As ilustrações de Juliana Barbosa Pereira, com suas cores quentes, complementam a obra e são um presente à parte para as crianças. (O Pequeno Príncipe Preto, Rodrigo França, Editora Nova Fronteira, 32 páginas, R$ 39,90)

Livro que explora origem da vida e suas possibilidades de existência fora da Terra será

Abordando um dos temas mais apaixonantes da atualidade, que rendeu, inclusive, o Prêmio Nobel de Física a três astrônomos em 2019, o livro “A fascinante ciência da vida no Universo”, do cientista e filósofo Marcus Mayer, produzida e editada pela Editora dos Frades, traz, em linguagem clara e acessível, uma reflexão sobre a astrobiologia, ciência que estuda as possibilidades de vida fora da Terra, assim como as descobertas planetárias, a busca por sistemas planetários extrassolares e a investigação sobre a origem da vida.

Com formato inédito no Brasil, e embasamento filosófico, a obra de 600 páginas busca responder a questionamentos complexos como, por exemplo: o que é vida, quais são os recursos físicos e químicos que permitem ao Universo produzi-la, como ela surgiu e prosperou na Terra, e como esse processo se daria em outros lugares, onde seria mais provável encontrarmos vida em nosso sistema solar e na galáxia, que aparência ela teria em planetas ou luas extrassolares, entre muitas outras.

A publicação já tem pré-venda disponível no site da Editora dos Frades e, após o lançamento, será comercializada, tanto nos canais de e-commerce, quanto na Livraria dos Frades, com sede no Oeste baiano. (A fascinante ciência da vida no Universo, Marcus Mayer, Editora dos Frades, 600 páginas, R$ 100,00)