Expectativa do QCSL é investir quase R$ 220 mil na folia deste ano
Bloco que começou em 2015 com 5 mil pessoas, neste ano pretende arrastar mais de 300 mil pela avenida - Crédito: Glaucimara Castro / www.bsfotografias.com.br

O Carnaval de Belo Horizonte já é a terceiro maior do Brasil. Para este ano, são esperados 5 milhões de foliões nas ruas da capital mineira, 20% a mais do que em 2019. Mas, produzir essa folia toda não é tarefa fácil. Produtores dos maiores blocos da Capital precisam se planejar e encontrar formas de levantar recursos para colocar o bloco na rua.

“Assim que fechamos o Carnaval na quarta-feira de Cinzas, já começamos a pensar no Carnaval do próximo ano”, explica o produtor do Quando Come Se Lambuza, Christiano Ottoni. No ano passado, o bloco QCSL levou 300 mil pessoas pra rua, com um investimento de R$ 170 mil. Para 2020, a expectativa é de que sejam investidos R$ 220 mil. Toda essa quantia vem do dinheiro arrecadado em ensaios, festas, venda de produtos promocionais e patrocínios.

De acordo com Christiano Ottoni, 90% do dinheiro do Carnaval vêm dos patrocínios. “Com o crescimento do Carnaval de Belo Horizonte as grandes marcas viram na festa uma oportunidade de conversar com seus públicos. E, por outro lado, esse aporte dos patrocinadores possibilitou que os produtores preparassem a festa, com estrutura cada vez melhor”, comenta.

Para Fernanda Federico, gerente de marketing da Skol Puro Malte, patrocinadora master do Carnaval 2020, o apoio aos blocos é fundamental para que a festa tenha a cara dos mineiros e seja uma experiência sempre leve, divertida e democrática. “Além de contribuir com a prefeitura para que o evento conte com a infraestrutura adequada, o apoio aos blocos também é fundamental para fazer a festa acontecer. São eles que carregam a verdadeira identidade do Carnaval, que arrastam milhares de foliões para as ruas e espalham uma energia que é contagiante. Este ano, estamos juntos de mais de 10 blocos de regiões e estilos variados, pois acreditamos na importância deles para a cena da cidade”, destaca.

No caso do Quando Come Se Lambuza, toda a estrutura será aumentada para promover maior segurança e conforto ao público. “Com o crescimento do bloco, vamos trazer dois trios elétricos para o desfile de Belo Horizonte e vamos dobrar o número de seguranças: teremos no total 150 pessoas trabalhando. Além disso, mais 60 pessoas vão cuidar da produção e organização do bloco, que contará com o apoio da prefeitura em policiamento, banheiros químicos, posto médico e etc”, explica o produtor Christiano Ottoni.

Christiano Ottoni reforça que trabalhar no Carnaval não é tarefa fácil, “mas quando vemos de cima do trio um mar de gente se divertindo e ocupando o espaço público da cidade, tudo faz sentido. Ver a quantidade de pessoas que também estão ali trabalhando e fazendo a economia girar, a diversidade de pessoas, inclusive turistas, e a visibilidade midiática do Carnaval de Belo Horizonte ficando cada vez maior, nos traz uma satisfação imensa. É para isso que trabalhamos tanto durante o ano. Para ter essa visão maravilhosa da capital mineira sendo beneficiada pelo Carnaval. Aí sim, vale a pena a gente se esforçar e colocar o bloco na rua”, ressalta.

Cinco anos – Neste Carnaval, o Quando Come Se lambuza, um dos maiores blocos de Carnaval de Belo Horizonte, completa 5 anos de muita folia e diversão. O bloco que começou em 2015 com 5 mil pessoas, neste ano pretende arrastar mais de 300 mil pela avenida.

O tema escolhido para o Carnaval 2020 foi #NósSomosJovens, para mostrar que jovialidade não tem a ver com idade e sim com atitude. “Ser jovem é ser ousado, corajoso e se reinventar. Derrubar barreiras, acabar com preconceitos, fugir do padrão e respeitar o diferente. E é essa a mensagem que queremos passar neste ano”, comenta Christiano Ottoni.

Além das batucadas clássicas e da Música Pra Pular Brasileira, neste ano o bloco aposta nas batidas 150BPM e no pagode baiano para agitar o público. “Teremos muitas surpresas e posso garantir que os hits do verão como ‘Contatinho’, ‘Amor de Quenga’ e ‘Combatchy’ não faltarão”, ressalta o produtor do grupo.

O Quando Come Se Lambuza desfila no dia 22 de fevereiro (sábado), na rua São Paulo com avenida Afonso Pena (próximo da rodoviária), com concentração às 9h e saída às 10h. (Da Redação)