Diretora-gerente do FMI, Kristalina Georgieva, ao lado do ministro da Economia da Argentina, Martín Guzmán, durante encontro no Vaticano | Crédito: REUTERS/Remo Casilli

Cidade do Vaticano – A diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva, e o ministro da Economia da Argentina, Martín Guzmán, tiveram o que ambos disseram ser conversas construtivas sobre a crise da dívida do país latino-americano.

As negociações, que duraram duas horas e meia, aconteceram na noite de terça-feira (4), afirmaram os dois ao entrarem na conferência no Vaticano sobre solidariedade econômica nesta quarta-feira (5).

Guzmán disse à Reuters que suas conversas com Georgieva foram “muito boas e construtivas”.

Georgieva contou a repórteres que foi uma “reunião muito construtiva. Discutimos as intenções do governo de estabilizar a economia, tratar da questão da dívida e fazê-lo sem perder de vista as pessoas mais vulneráveis”.

A Argentina precisa reestruturar US$ 100 bilhões em dívida soberana com credores, incluindo o FMI, em meio a uma recessão acentuada com inflação acima de 50%.

O presidente da Argentina, Alberto Fernández, prometeu reduzir as divisões sociais e implantar um sistema de crédito massivo com taxas baixas para fortalecer a demanda doméstica e aumentar os gastos para combater a fome e a pobreza no país.

(Reuters)