COTAÇÃO DE 02/08/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,1650

VENDA: R$5,1650

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,1700

VENDA: R$5,3200

EURO

COMPRA: R$6,0990

VENDA: R$6,1002

OURO NY

U$1.813,45

OURO BM&F (g)

R$299,72 (g)

BOVESPA

+0,59

POUPANÇA

0,2446%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia Economia-destaque livre

Governo estima que as PPIs possam atrair US$ 80 bi em investimento estrangeiro

COMPARTILHE

Governo estima que as PPIs possam atrair US$ 80 bi em investimento estrangeiro
Crédito: Marcello Casal Jr/ Agencia Brasil

São Paulo – O governo estima que projetos do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) podem ampliar o ingresso de capital estrangeiro no Brasil.

Segundo o subsecretário de investimentos estrangeiros do ministério da Economia, Renato Baumann, no biênio 2018 e 2019, o Brasil recebeu US$ 78 bilhões e uma quantia similar, na casa de US$ 80 bilhões, pode ingressar nos próximos dois anos.

PUBLICIDADE

O PPI, no entanto, teria potencial para incrementar esse valor, pois, ele destaca, já existem vários projetos listados e que já possuem, inclusive, valores projetados para a licitação.

“Isso aumenta a expectativa [para ingresso de investimentos]. São vários projetos: aeroportos, ferrovias, na área de energia, de gestão de comunicação, portos, rodovias, que podem ser licitados”, disse Baumann.

Segundo ele, caso todos os projetos de PPI sejam licitados e o investimento estabelecido seja cumprido, o Brasil receberia US$ 14 bilhões. “Isso seria o equivalente a 18% do total de investimento externo no Brasil em 2019”, afirmou durante o debate Perspectivas do Investimento Estrangeiro no Brasil, promovido na Fundação Fernando Henrique Cardoso ontem, em São Paulo.

Ele também afirma que as expectativas são boas para as cinco privatizações previstas: a casa da moeda, o Empresa Gestora de Serviços (Emgea), a Agência Brasileira Gestora de Fundos Garantidores e Garantias (ABGF), a Centrais de Abastecimento de Minas Gerais (Ceasaminas) e a Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (Ceagesp) . “Esse cenário, se confirmado, pode trazer impacto positivo”, afirmou.

Um ponto preocupante, no entanto, é o fato de o capital externo ter priorizado, nos últimos anos, o setor de serviços em detrimento da indústria.

“É preocupante a concentração em serviços, principalmente em energia. Em algum momento, eles precisarão de câmbio para remeter lucros. Se o dinamismo do comércio internacional se mantiver baixo, isso causar algum problema com a balança comercial e esses investidores do setor [de serviços] começarem a demandar retorno, isso vai acender uma luz amarela”, afirmou o subsecretário.

Em seu balanço, Baumann também destacou o baixo investimento na criação de empresas novas, os chamados greenfields. “Apenas 15% de todo o montante que entra é em greenfield. Todo o restante é em compra de empresas já existentes [brownfield], o que não é de se esperar num momento de recuperação”, diz. (Folhapress)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!