Crédito: Reprodução

Pesquisadores de todo o País interessados em ter o reconhecimento sobre seu trabalho em Ciência ou Tecnologia têm até o dia 28 de fevereiro para se inscrever na 2ª edição do Prêmio CBMM de Ciência e Tecnologia.

Nesse prazo também podem ser feitas indicações de candidatos por instituições de ensino, associações e empresas. As indicações e inscrições são gratuitas e os dois vencedores recebem prêmio de R$ 500 mil.

Podem se inscrever profissionais que tenham concebido produtos, processos, metodologias ou serviços inovadores nas áreas de Ciências da Computação, Ciências da Terra, Ciências da Vida, Engenharias, Física, Matemática e Química.

A categoria Ciência reconhece pesquisadores que colocaram o Brasil em destaque no cenário científico mundial; a categoria Tecnologia prestigia profissionais cujos trabalhos geraram impactos relevantes ao país no desenvolvimento de aplicações práticas.

Prêmio – A Companhia Brasileira de Metalurgia e Mineração (CBMM) criou o Prêmio por manter uma relação muito próxima com a inovação e entender a relevância da parceria dos diversos setores da sociedade no investimento em pesquisa e inovação, indispensáveis ao desenvolvimento econômico das empresas e do País.

Na área de tecnologia, o Prêmio CBMM é o único existente no Brasil.

A 1ª edição aconteceu em 2019, e o segundo premiado, na Categoria Ciências, foi o matemático Marcelo Viana, diretor-geral do Instituto de Matemática Pura e Aplicada (IMPA).

“Quero crer que, a par de contribuições que eu possa ter dado à causa da ciência brasileira, o fato de o prêmio CBMM para ciência ter sido atribuído a um matemático já em sua primeira edição, reconhece sobretudo o desenvolvimento extraordinário que esta disciplina alcançou no Brasil nas últimas décadas”, diz o pesquisador, que foi presidente da Sociedade Brasileira de Matemática e vice-presidente da União Matemática Internacional.

O premiado na Categoria Tecnologia, João Batista Calixto, destacou ainda a abrangência da premiação: “Esse prêmio traz esperança, por ser o maior e por estar premiando dois cientistas completamente fora da área da empresa”, afirmou o cientista, que também é membro da Academia Brasileira de Ciências.