Instituições enxergam dólar a R$ 4,15 no País neste e no próximo ano
Crédito: Enildo Amaral/BCB.

São Paulo – O mercado elevou as contas para o câmbio tanto para este ano quanto para o próximo em meio aos sucessivos recordes que o dólar bateu contra o real nas últimas sessões, de acordo com a pesquisa Focus que o Banco Central (BC) divulgou ontem.

O levantamento semanal mostra que a expectativa agora é de que o dólar encerre tanto 2020 quanto 2021 a R$ 4,15, de R$ 4,10 e R$ 4,11, respectivamente, estimados antes.

O dólar terminou a sexta-feira passada perto da estabilidade ante o real, depois de a cotação ter chegado a superar R$ 4,40 pela primeira vez. O cenário externo, com o surto do coronavírus, tem influenciado as negociações, que retornaram ontem, após a pausa de Carnaval.

Inflação – O Focus mostrou ainda a oitava redução seguida na projeção para a inflação este ano, estimada agora em 3,20%, de 3,22% antes. Para 2021, segue expectativa de alta do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de 3,75%.

O centro da meta oficial de 2020 é de 4% e, de 2021, de 3,75%, ambos com margem de tolerância de 1,5 ponto percentual para mais ou menos.

Para o Produto Interno Bruto (PIB), a estimativa de crescimento foi reduzida a 2,20% este ano, 0,03 ponto percentual a menos do que na semana anterior, permanecendo em 2,50% para 2021.

Selic – A pesquisa semanal com uma centena de economistas mostrou ainda que a taxa básica de juros deve terminar 2020 a 4,25%, indo a 6% no próximo ano, sem alterações. O Top-5, grupo dos que mais acertam as previsões, continua vendo a Selic respectivamente a 4,25% e 5,75%.

O BC reduziu em fevereiro a Selic em 0,25 ponto percentual, para a nova mínima histórica de 4,25% ao ano. No comunicado, a autoridade monetária indicou expressamente a interrupção do atual ciclo de cortes na taxa básica de juros, em meio à leitura de que os ajustes já feitos ainda vão surtir efeito na economia. (Reuters)