COTAÇÃO DO DIA 22/01/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,4780

VENDA: R$5,4790

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,5070

VENDA: R$5,6470

EURO

COMPRA: R$6,6088

VENDA: R$6,6101

OURO NY

U$1.853,68Pg�

OURO BM&F (g)

R$ (g)

BOVESPA

-0,80

POUPANÇA

0,1159%%

OFERECIMENTO

Mercantil do Brasil - ADS

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Agronegócio livre
Página Inicial » Agronegócio » Mercado vê espaço para consolidação

Mercado vê espaço para consolidação

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Mercado vê espaço para consolidação
Preços globais do açúcar avançaram em torno de 12% neste ano - Crédito:Niels Andreas

Dubai – Usinas brasileiras de açúcar têm sido beneficiadas por uma alta nos preços do adoçante, baixas taxas de juros e pela forte demanda pelo etanol derivado de cana, mas ainda há espaço para consolidação no segmento, já que algumas delas continuarão com dificuldades, disseram especialistas em uma conferência anual do setor em Dubai ontem.

Cerca de um terço das usinas brasileiras estão em um “círculo vicioso”, com restrições de crédito e sendo obrigadas a vender seu etanol assim que ele é produzido, afirmou o estrategista global de açúcar do Rabobank, Andy Duff.

“Elas acabam tendo custos maiores e receitas menores. Estão em uma espiral descendente. Elas acabam perdendo fornecedores independentes de cana-de-açúcar, que se sentem mais seguros com outras usinas vizinhas que estão em posições melhores”, disse Duff.

“É por isso que há uma consolidação silenciosa, em que você tem a migração da cana de agentes mais fracos para aqueles em melhor situação”.

Em contraste, cerca de um terço das usinas brasileiras estão em um “círculo virtuoso”, disse ele. “Por terem grande liquidez, elas podem tirar proveito da sazonalidade de preços do etanol e aumentar receitas e margens. Elas têm espaço para investir em tecnologia e em expansões e também atraem ofertas de cana de quem vem lidando com empresas que estão em situação oposta”.

Duff disse que um outro terço das usinas brasileiras tem apenas lutado para não se afogar.

O presidente da consultoria Datagro, Plinio Nastari, afirmou que, nos últimos 12 meses, o uso da cana para fabricação de etanol foi mais lucrativo do que para produção de açúcar, embora a diferença tenha diminuído após um recente aumento nos preços do adoçante.

Os preços globais do açúcar subiram cerca de 12% neste ano e atingiram máxima de mais de dois anos de 15,13 centavos de dólar por libra-peso na semana passada.

Oferta mundial- Participantes da conferência afirmaram que a proporção de cana utilizada para produção de açúcar no Brasil poderá aumentar neste ano, com um aperto na oferta global após colheitas ruins na Tailândia e na Índia.

O Brasil é um fornecedor chave de açúcar devido à sua flexibilidade, com capacidade de alternar a produção entre açúcar e etanol. Se o mercado global precisa de açúcar, então deve manter os preços em um nível competitivo com o etanol, afirmaram os participantes da conferência.

“Nós não sabemos (qual é) o número final da produção (de açúcar) do Brasil de que o mercado precisa. Se (a oferta do Brasil) pode preencher essa lacuna, é justo dizer que não há razão para o açúcar divergir significativamente da paridade com o etanol”, disse o diretor da LMC International, Martin Todd. (Reuters)

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

VEJA TAMBÉM

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!