COTAÇÃO DO DIA 22/01/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,4780

VENDA: R$5,4790

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,5070

VENDA: R$5,6470

EURO

COMPRA: R$6,6088

VENDA: R$6,6101

OURO NY

U$1.853,68Pg�

OURO BM&F (g)

R$ (g)

BOVESPA

-0,80

POUPANÇA

0,1159%%

OFERECIMENTO

Mercantil do Brasil - ADS

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia Economia-destaque livre
Página Inicial » Economia » Petrobras reduzirá a gasolina em 3% nas refinarias a partir de hoje

Petrobras reduzirá a gasolina em 3% nas refinarias a partir de hoje

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Petrobras reduzirá a gasolina em 3% nas refinarias a partir de hoje
Crédito: REUTERS/Paulo Whitaker

Rio – A Petrobras reduzirá o preço médio da gasolina e do diesel em 3% nas refinarias a partir desta sexta-feira, informou a companhia à Reuters após ser consultada, diante de um recuo das cotações de petróleo, que têm sido impactadas por perspectivas de que o novo coronavírus afete a demanda pela commodity.

Na semana passada, a empresa já havia informado corte de 1,5% no valor da gasolina e de 4,1% no diesel. Tais reduções marcam a terceira vez em que a estatal reduz os preços neste ano.

Em 14 de janeiro, a Petrobras também havia diminuído em 3% os valores médios do diesel e da gasolina.

“A redução dos preços da Petrobras era esperada. O coronavírus afetou a demanda mundial de petróleo e de seus derivados e provocou um aumento nos estoques que provocou a redução das cotações dos derivados, incluindo a gasolina e o óleo diesel”, disse o presidente da Associação Brasileira dos Importadores de Combustíveis (Abicom), Sérgio Araújo.

“Apesar da elevação da cotação do dólar, a paridade de importação para os dois produtos caiu e a Petrobras está, rapidamente, acompanhando os preços internacionais.”

Após os recuos, o preço médio do diesel da Petrobras atingirá nesta sexta-feira cerca de R$ 2,10 por litro na refinaria, acumulando queda de aproximadamente 10% neste ano, segundo cálculos da Reuters a partir de dados compilados da empresa.

Já a gasolina da Petrobras registrará média de cerca de R$ 1,77 por litro, com recuo acumulado de aproximadamente 7% no ano até agora.

A petroleira estatal tem reiterado que sua política para ambos os combustíveis segue o princípio da paridade de importação, que leva em conta preços no mercado internacional mais os custos de importadores, como transporte e taxas portuárias, com impacto também do câmbio.

Apesar do recuo acentuado dos preços nas refinarias, os postos de combustíveis não têm refletido a contração ainda.

O preço médio da gasolina nas bombas sofreu uma alta acumulada de 0,8% neste ano, enquanto o do diesel avançou 0,5%, segundo cálculos da Reuters a partir de dados da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

O repasse dos ajustes de preço nas refinarias para o consumidor final nos postos não é imediato e depende de diversos fatores, como consumo de estoques, impostos, margens de distribuição e revenda e mistura de biocombustíveis.

O chefe da área de óleo e gás da consultoria INTL FCStone, Thadeu Silva, avaliou não haver grande perspectiva de mudança de cenário no momento, uma vez que a China –segundo maior consumidor global de petróleo– limitou a circulação de grande quantidade de pessoas.

Além disso, como prevenção, viagens ao país asiático têm sido evitadas. No Brasil, por exemplo, as gigantes Vale e Petrobras suspenderam voos de negócios para a China.

“Petróleo é mobilidade, a demanda dele depende de mobilidade… tudo que está cortando de viagens aéreas, locomoção de carros… é uma queda absurda do consumo chinês”, disse Silva, destacando que a China é o principal responsável pelo crescimento da demanda por petróleo.

“O reajuste da Petrobras está em consonância com esse movimento de queda e, como o mercado ainda continua caindo, a gente já com paridade com o mercado internacional, pode ver novas quedas pela frente no preço”, completou.

Ontem, a Arábia Saudita abriu uma discussão sobre uma possível antecipação da próxima reunião política da Opep+ de março para o início de fevereiro, disseram quatro fontes da Opep+ à Reuters, depois que a queda nos preços do petróleo alarmou Riad. (Reuters)

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

VEJA TAMBÉM

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!

FIQUE POR DENTRO DE TUDO !

Não saia antes de se cadastrar e receber nosso conteúdo por e-mail diariamente