COTAÇÃO DE 25/01/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,5074

VENDA: R$5,5089

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,5074

VENDA: R$5,5089

EURO

COMPRA: R$6,6799

VENDA: R$6,6828

OURO NY

U$1.856,15

OURO BM&F (g)

R$327,82 (g)

BOVESPA

-0,80

POUPANÇA

0,1159%%

OFERECIMENTO

Mercantil do Brasil - ADS

INFORMAÇÕES DO DOLAR

livre Política

Quanto mais perto da eleição, mais difícil aprovar privatização da Eletrobras, diz Maia

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Crédito: REUTERS/Adriano Machado

São Paulo – O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), avaliou nesta terça-feira (18) que, quanto mais se aproximam as eleições municipais de outubro deste ano, mais difícil fica a aprovação da privatização da Eletrobras pelo Congresso Nacional.

“Quanto mais perto da eleição, mais difícil que a gente consiga aprová-la ainda neste ano. Então quanto mais rápido se construir um acordo no Senado, acho que fica mais fácil que a gente consiga enfrentar este tema”, ressalvou.

Maia disse, em evento do banco BTG em São Paulo, que a proposta de privatização da estatal elétrica enfrenta dificuldades no Senado que devem se agravar com o caminhar do calendário eleitoral.

“Eletrobras a gente precisa resolver no Senado. Se o governo organizar minimamente uma modelagem que atenda ao Senado, temos toda a condição para votar. Está bem madura a votação da matéria”, avaliou.

Maia também afirmou que é possível que a Proposta de Emenda à Constituição que aciona gatilhos para evitar o descumprimento de regras fiscais, a chamada PEC Emergencial, seja aprovada no primeiro semestre deste ano, apontando que o Senado deve aprovar a matéria até março e, após isso, ela será analisada pelos deputados.

“Essa matéria vai ter muito apoio. A gente precisa reduzir as despesas do Estado para que, com nosso orçamento, a gente possa atender as nossas demandas e as demandas da sociedade brasileira. Por isso, tem até a chance da Câmara aprovar um texto mais ambicioso daquele que o governo mandou.”

O presidente da Câmara também disse que a PEC do Fundo Nacional da Educação Básica (Fundeb), que vence no final deste ano, deve ser votada até março na Casa e apontou a reforma tributária como principal prioridade neste momento para o país.

Maia afirmou ainda que há chances das mudanças tributárias serem aprovadas até o final deste semestre e garantiu que não haverá aumento de impostos no Brasil, tampouco a volta de um tributo nos moldes da extinta Contribuição Provisória sobre Movimentações Financeiras (CPMF).

“Nós não vamos aceitar a volta da CPMF. A carga tributária brasileira já é de 36% do PIB. O que nós vamos garantir na reforma tributária é que a carga tributária no Brasil vai cair. Não haverá nenhuma chance de ter 1 real de aumento real na nossa carga tributária”, assegurou em entrevista a jornalistas após a palestra.

(Reuters)

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

VEJA TAMBÉM

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!

FIQUE POR DENTRO DE TUDO !

Não saia antes de se cadastrar e receber nosso conteúdo por e-mail diariamente