Vereadores aprovam recomposição salarial de servidores da PBH em 1º turno
Crédito: Divulgação/CMBH

Em caráter extraordinário, os vereadores de BH reuniram-se sexta-feira (14) para debater e votar quatro projetos de lei que tratam da recomposição salarial dos servidores e empregados públicos da Administração Direta e Indireta da PBH, bem como da alteração dos planos de carreira de determinadas categorias.

Os textos, de autoria do Executivo, foram enviados à Casa em dezembro. O PL 906/2019, que trata especificamente da recomposição salarial dos trabalhadores foi aprovado por unanimidade, em 1º turno.

Primeiro projeto a ser apreciado, o PL 902/2019 altera a Lei nº 11.136/18, que dispõe sobre o plano de carreira dos ocupantes dos empregos públicos de Agente Comunitário de Saúde de Agente (ACS) e de Agente de Combate a Endemias (ACE). Em mensagem enviada à Casa, o prefeito esclareceu que o projeto estimula o provimento das referidas funções, e que o mesmo ocorrerá por meio de processo seletivo e certificação, após curso de atualização. O documento enviado informou ainda que as alterações preveem um impacto financeiro estimado em cerca de R$ 66 mil, e que o valor já consta em lei orçamentária vigente. O projeto foi aprovado em 1º turno por unanimidade.

Já o PL 906/2019, que trata da recomposição salarial dos trabalhadores, foi aprovado por unanimidade, com 37 a favor. Antes da sua apreciação, um requerimento apresentado pelo vereador Mateus Simões (Novo) pediu a votação em destaque dos artigos 16 e 17, que torna o Analista de Políticas Públicas do Hospital Odilon Behrens, com formação em engenharia e arquitetura, ocupante de cargo da carreira dos Engenheiros e Arquitetos. “Não podemos votar junto com o aumento geral o reenquadramento funcional de determinadas servidores do Hospital Odilon Behrens”, salientou Simões.

Defendendo a manutenção dos artigos, o vereador Léo Burguês de Castro argumentou que esta pode não ser mesmo a melhor forma legislativa, mas que é, entretanto, uma forma mais rápida de se resolver uma pendência dos servidores em questão. O destaque foi aprovado por 35 votos a favor, tendo os vereadores Mateus Simões e Gabriel (sem partido), votado por sua rejeição. O projeto na parte não destacada foi aprovado em 1º turno, por unanimidade.

Ainda na pauta para apreciação, o PL 907/2019, que dispõe sobre o plano de carreira dos servidores ocupantes do cargo público de Agente Executivo Governamental, bem como a tabela de vencimentos e os critérios para a evolução profissional para o cargo, recebeu dois destaques apresentados pelos vereadores Mateus Simões e Gabriel. O primeiro destaque (Art.8), que prevê que a avaliação de desempenho dos servidores será automática caso o gestor não a faça, foi aprovado pelo Plenário, com apenas dois votos contra, dos vereadores Mateus e Gabriel.

Já o segundo destaque (Inciso 1, do Art. 24), que revoga artigo que prevê as atribuições do cargo de Auditor Fiscal, foi aprovado com 27 votos a favor e nove contrários. O líder de governo, vereador Léo Burguês de Castro (PSL), acolheu sugestão de Gabriel para que o assunto seja tratado a partir de emendas na apreciação em 2º turno. O trecho não destacado do PL foi aprovado por unanimidade em 1º turno.

Último projeto a ser apreciado, o PL 908/2019, que dispõe sobre o plano de carreira dos servidores ocupantes dos cargos públicos efetivos de Ajudante de Serviço Operacional, Auxiliar Administrativo, Oficial de Serviço Público, Motorista, Telefonista e Técnico de Serviço Público, recebeu pedido de destaque para a votação do Art. 7. O trecho, que prevê que a avaliação de desempenho do servidor será automática caso o gestor não a faça, novamente foi acatado pelo Plenário, obtendo apenas dois votos contrários. A parte não destacada do projeto foi aprovada por unanimidade, também em 1º turno.

Todos os quatro PLs apreciados seguem agora para apreciação em 2º turno, quando passarão novamente pelas comissões designadas antes de ir para a votação no Plenário. (Com informações da CMBH)