Alta registrada pelas grandes redes de farmácia é considerada como uma frustração - CRÉDITO: DIVULGAÇÃO

São Paulo – As grandes redes de varejo farmacêutico aumentaram seu faturamento em 7,54% no primeiro semestre de 2018, resultado que, embora seja de alta, significa alguma frustração para o setor. “Esperávamos que já estivesse melhor”, comenta o presidente executivo da Associação Brasileira de Redes de Farmácias e Drogarias (Abrafarma), Sergio Mena Barreto.

O resultado dos primeiros seis meses do ano foi uma receita de R$ 22,78 bilhões. Diferente da tendência que vinha se mantendo nos últimos anos, as vendas deixaram de ser puxadas pelos segmentos de itens de beleza e higiene. A categoria chamada de “não-medicamentos” cresceu abaixo da média, com alta nas vendas de 6,37%.

Para Barreto, o setor sente o impacto de uma crise de confiança dos brasileiros. “A eleição está incerta, o brasileiro ainda demonstra medo de consumir”, conclui.

Apesar de considerar o desempenho até aqui mais fraco do que o esperado, a Abrafarma ainda acredita que o crescimento nas vendas em 2018 deve ficar em torno de 8% a 9%. No ano passado, as vendas cresceram 8,96%.

As grandes redes de farmácia representam cerca de 45% do total do mercado farmacêutico brasileiro, conforme dados da IQVIA. Nos últimos anos, essa fatia vem crescendo, com as redes abrindo mais lojas e tomando mercado de farmácias independentes, as quais representam 30% do faturamento do setor.

Para 2018, Barreto considera que o ritmo de expansão segue forte. Nos últimos 12 meses encerrados em junho, foram inaugurados pouco mais de 600 pontos de venda, comparáveis a uma abertura de cerca de 630 lojas um ano antes. Barreto não vê desaceleração. “Não foram cancelados investimentos”, aponta o executivo. “A expansão tem se mantido.”

Oferta de serviços – O setor tem apostado ainda na oferta de serviços de saúde como exames para controle de diabetes, hipertensão e colesterol, além de fornecimento de vacinas.

Segundo a Abrafarma, hoje são 1,6 mil os postos de atendimento desse tipo em farmácias, quase o triplo do que existia há um ano A expectativa é chegar a 2 mil espaços do gênero até o fim do ano.

Esse tipo de serviço foi permitido com a edição de uma lei em 2014, mas ainda há discussões do setor com o órgão regulador, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Isso não tem impedido, no entanto, que redes já apostem nesse serviço de assistência. (AE)