COTAÇÃO DE 07/05/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,2280

VENDA: R$5,2290

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,2070

VENDA: R$5,3830

EURO

COMPRA: R$6,3509

VENDA: R$6,3522

OURO NY

U$1.831,42

OURO BM&F (g)

R$307,84 (g)

BOVESPA

+1,77

POUPANÇA

0,2019%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Negócios Negócios-destaque
A Gellak trabalha com a produção de sorvetes, picolés e açaís e atua no mercado B2B | Crédito: Divulgação/Gellak Sorvetes

A Gellak Sorvetes, localizada em Sete Lagoas, na região Central do Estado, acaba de concluir a expansão da linha de produção de alimentos congelados. Apesar de o valor investido não ter sido revelado, o aporte permitiu a empresa dobrar a capacidade de processamento dos atuais 15 mil litros diários para 30 mil litros dia.

A informação é do sócio-proprietário da Gellak, Vagnaldo Geraldo da Fonseca. Segundo ele, a nova capacidade instalada dará fôlego para a empresa crescer nos próximos três a quatro anos.

PUBLICIDADE

“Iniciamos a expansão há dois anos, visando justamente atender ao aumento da demanda. A previsão inicial era concluí-la em julho, mas, com os impactos da pandemia de Covid-19 no início de 2020, precisamos suspender as intervenções por um período e finalizamos agora”, detalhou.

Embora não tenha revelado o investimento, por questões estratégicas, o empresário disse que boa parte do aporte foi realizada com capital próprio da empresa e outra fatia foi financiada.

Fundada em 1993, a Gellak trabalha com a produção de sorvetes, picolés e açaís e atua no mercado B2B, fornecendo produtos para supermercados, padarias e sorveterias. Os produtos são vendidos para parte de Minas Gerais, algumas cidades fora do Estado e agora têm se consolidado também no mercado de Belo Horizonte e da região metropolitana.

A linha de produção está localizada em uma área de 3 mil metros quadrados. A empresa conta ainda com frota própria para atender parceiros e clientes e 170 funcionários. Com a expansão, a meta é encerrar 2021 com quadro 30% maior.

Atualmente, no verão, a produção chega ao limite de 15 mil litros/dia, enquanto nos meses mais frios, cai para 5 mil litros diários. Conforme Fonseca, a tradicional sazonalidade do setor faz com que as indústrias trabalhem para um período compensar o outro.

Especificamente sobre os últimos meses, quando muitos setores tiveram seus funcionamentos restringidos pelas medidas de distanciamento social para evitar a disseminação do novo coronavírus, o sócio-proprietário da Gellak explicou que as áreas atendidas foram diferentemente afetadas.

“O segmento de sorveterias teve uma queda absurda, enquanto a demanda das padarias se manteve estável e as vendas para os supermercados aumentaram. Assim, um acabou compensando o outro e conseguimos manter os níveis de comercialização inicialmente projetados para 2020”, detalhou – sem revelar números.

O resultado será possível, mesmo diante das dificuldades de aquisição de matéria-prima no decorrer do segundo semestre. Segundo o executivo, as maiores faltas dizem respeito ao papelão e ao plástico e estão relacionadas ao aumento da demanda no mercado interno e à alta nas exportações destes materiais.

“No momento, conseguimos a matéria-prima apenas para o dia. Não temos todos os insumos para trabalhar por dez dias consecutivos, por exemplo”, explicou.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

CONTEÚDO RELACIONADO

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!