20/07/2018
Login
Entrar




Economia

08/05/2018

BH tem menor inflação em 10 anos

Dado leva em conta variação do IPCA de 3,74%, no acumulado dos últimos 12 meses
Ana Carolina Dias
Email
A-   A+
Alimentos in natura e alimentação em restaurante tiveram as maiores altas em BH/Marcos Santos/USP Imagens/Divulgação
O custo de vida em Belo Horizonte, medido pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), registrou alta de 0,19% em abril deste ano na comparação com o mês anterior. No acumulado dos últimos 12 meses, o índice, que apresentou uma variação de 3,74%, foi o menor dos últimos 10 anos, considerando o período de análise de maio a abril. Já a variação entre janeiro e abril de 2018 foi de 1,18%, de acordo com os dados divulgados pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas, Administrativas e Contábeis de Minas Gerais (Ipead).

As altas de 7,34% para alimentos in natura e de 1,19% para alimentação em restaurante foram as principais responsáveis pelo resultado da inflação na Capital durante o mês de abril. Por outro lado, houve destaque para as quedas de 2,15% para vestuário e complementos e de 1,43% para artigos de residência.

Após duas deflações em fevereiro e março deste ano, o resultado positivo era esperado na avaliação do coordenador de pesquisa do Ipead, Eduardo Antunes. Levando em conta que este foi o segundo menor índice de elevação para abril nos últimos 10 anos, o IPCA continua dentro do patamar aceitável em termos de variação de preços, para o economista.

“O índice reverteu um pouco as duas últimas quedas apresentadas, quando estava negativo. Mas ainda não é motivo de preocupação, porque é um nível bastante reduzido em relação aos que já foram registrados em vários outros períodos para o mês de abril”, explicou Antunes.

Confiança – Os resultados do Índice de Confiança do Consumidor (ICC) de Belo Horizonte em abril deste ano revelaram que os consumidores da Capital estão mais pessimistas em relação ao cenário econômico do País e à expectativa financeira da família. O ICC alcançou a marca dos 36,12 pontos no período, queda de 3,77% em relação a março.

Antunes ressaltou que as oscilações no índice de um mês para o outro são previstas, principalmente porque o ICC tem se mantido quase estagnado. A manutenção do resultado abaixo do nível dos 50 pontos, que separa o pessimismo do otimismo, reflete a falta de percepção de uma melhora substancial do contexto econômico por parte dos belo-horizontinos, segundo o coordenador de pesquisa do Ipead.

“Historicamente, o índice já estava abaixo da linha do otimismo há algum tempo. Nesse mês, houve impacto com uma queda expressiva, devido a temores relacionados à situação econômica do País, que tem melhorado ainda de maneira lenta”, avaliou Antunes.

Cesta básica – Após a alta de 1,89% registrada em março de 2018, o custo da cesta básica em Belo Horizonte diminuiu em abril deste ano na comparação com o mês imediatamente anterior. O custo da cesta apresentou queda de -1,92% no período e o valor para abril foi de R$ 393,31, equivalente a 41,23% do salário mínimo. No acumulado dos 12 meses, a variação também foi negativa (-5,73), enquanto, de janeiro a abril, o custo variou 2,63%.

O coordenador de pesquisa do Ipead, Eduardo Antunes, destacou que a redução de preços da banana (-8,68), da carne (-4,34%) e do tomate (-3,36) contribuiu de forma determinante para o resultado de abril. “Por ser composta apenas de itens de alimentação, a cesta básica também apresenta variações relevantes de um mês para o outro. Os itens que apresentaram queda pesam significativamente para o preço final da cesta”, ponderou.

Publicidade

Aproveite! Assine o DC e tenha notícias exclusivas

Leia também

20/07/2018
Responsabilidade é decisiva para novos consumidores
No Brasil, setor farmacêutico é o que gera mais confiança
20/07/2018
Lojistas de BH apostam nos shopping
Pesquisa da Abrasce aponta que País tinha 571 desses centros de compras em dezembro
20/07/2018
Setor de fundição avança 3,5% em Minas no 1º semestre
Crescimento é atribuído à recuperação do parque automotivo, que consome 60% dos fundidos no Estado
20/07/2018
Indústria e comércio foram os mais afetados com a greve dos caminhoneiros
Fiemg estimou perdas de R$ 2,47 bi, com destaque para os setores automotivo e de máquinas e equipamentos
20/07/2018
Produção da Anglo em complexo recua 64% no 1º semestre
Queda no volume é reflexo da paralisação das operações
› últimas notícias
Responsabilidade é decisiva para novos consumidores
Lojistas de BH apostam nos shopping
Setor de fundição avança 3,5% em Minas no 1º semestre
Indústria e comércio foram os mais afetados com a greve dos caminhoneiros
Produção da Anglo em complexo recua 64% no 1º semestre
Leia mais notícias ›
› Newsletter
O melhor conteúdo exclusivo e gratuito no seu e-mail:




Cadastrar
› Mais Lidas
Leia todas as notícias ›
Publicidade
› Assine o DC

Acesso completo

aos conteúdos online e versão impressa.
Único jornal especializado em Economia, Negócios e Gestão de Minas Gerais.
Ferramenta indispensável para fazer bons negócios.
› Edição Impressa


20 de julho de 2018
Conteúdo exclusivo para assinantes
› DC no Facebook
 
© Diário do Comércio. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.