Créditos: divulgação

A produção de cana-de-açúcar, em Minas Gerais, cresceu apenas 0,3% na safra 2018/19 conforme dados do quarto Acompanhamento da Safra Brasileira de Cana-de-açúcar, elaborado pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

Ao todo, Minas Gerais moeu 65,2 milhões de toneladas de cana. Neste ano-safra, houve maior destinação da cana para a produção de etanol, principalmente para o hidratado, que está com preços mais competitivos e demanda elevada no mercado. A produção de açúcar ficou menor em função dos estoques mundiais mais altos e os preços menores.

De acordo com os dados da Conab, a produção nacional de cana-de-açúcar ficou 1,3% menor, com a moagem de 625,1 milhões de toneladas. O pequeno crescimento de 0,3% observado em Minas Gerais e a queda no volume nacional são resultados do clima desfavorável registrado nas regiões produtoras, o que impactou na produtividade.

“Em Minas Gerais, tivemos um avanço de 2,8% na área em produção, porém, com as chuvas escassas, a produtividade caiu 2,4% fazendo com que a moagem crescesse apenas 0,3% no Estado”, explicou o gerente de levantamento e avaliação de safras da Conab, Fabiano Vasconcelos.

Na safra 2018/19, a área produtiva de cana em Minas foi de 848 mil hectares, aumento de 2,8% frente aos 824,9 mil hectares registrados no ano-safra anterior.

Segundo os pesquisadores da Conab, o aumento é resultado dos projetos de renovação e de expansão nas áreas de cultivo no Estado.

Em relação à produtividade, foi registrado recuo de 2,4%, com rendimento médio estimado em 76,9 toneladas de cana por hectare. O recuo é resultado do menor volume de chuvas registrado no período produtivo.

Biocombustível – Com demanda aquecida no mercado, a safra mineira foi voltada para a produção de etanol. O levantamento mostrou um aumento de 24,1% no volume de cana-de-açúcar destinado à produção de etanol total. Ao todo, foram esmagadas 41,3 milhões de toneladas de cana para a produção do biocombustível, ante o volume de 33,3 milhões de toneladas utilizadas na safra anterior.

Com o aumento da moagem, a produção de etanol total foi estimada em 3,3 bilhões de litros, elevação de 21,6% ou de 587,5 milhões de litros a mais que o registrado na safra 2017/18.

O destaque da safra foi a fabricação de etanol hidratado. Na safra 2018/19, o volume de cana-de-açúcar destinada à produção do hidratado foi ampliado em 44,2% e somou 29,8 milhões de toneladas. Com o aumento, o volume fabricado foi de 2,41 bilhões de litros de etanol hidratado, aumento expressivo de 40,7%.

“O etanol hidratado se tornou uma alternativa mais acessível em relação à gasolina, o que, além da queda nos preços do açúcar, contribuiu para a elevação da produção”, explicou Vasconcelos.

Para a produção do etanol anidro foram esmagadas 11,5 milhões de toneladas de cana-de-açúcar, variação negativa de 8,8%.

Açúcar – Com a produção mundial maior, os preços pagos pelo açúcar no mercado internacional caíram, o que desestimulou a produção mineira. De acordo com os dados da Conab, o uso de cana para a geração de açúcar recuou 24,7% em Minas Gerais na safra 2018/19.

Ao todo foram destinadas 23,8 milhões de toneladas de cana para a produção do adoçante, ante 31,6 milhões de toneladas esmagadas na safra anterior. Com a queda no volume de cana, a produção de açúcar alcançou 3,1 milhões de toneladas, queda de 26,5% ou 1,1 milhão de toneladas a menos no atual período produtivo.