O Banco Bari será o emissor do novo cartão, de bandeira Elo, aceito em todas as máquinas - Crédito: Divulgação

O modelo de cartão de crédito que todo mundo conhece é elevado a outro patamar com a chegada de um produto inovador e inédito ao mercado brasileiro, com o maior limite aliado à menor taxa de juros da categoria, além de condições mais atrativas e sofisticadas: o cartão de crédito com garantia de imóvel. A novidade é do Conglomerado Financeiro Barigui, que decidiu comemorar o pioneirismo e marcar a nova fase dos negócios com uma mudança de marca.

O Banco Barigui, que foi criado por transformação da Barigui Financeira, com autorização do Banco Central no ano passado, está se transformando em Banco Bari e será o emissor do novo cartão, de bandeira Elo. O site www.bancobari.com.br acaba de ser lançado e oferece simulações de crédito.

Contribuir para o acesso a um crédito melhor e mais consciente no País é uma das bandeiras da companhia, fundada há 24 anos.

“O grupo securitizou mais de R$ 6 bilhões de crédito imobiliário, originado e de terceiros, e já originou mais de R$ 800 milhões em home equity. A transformação da nossa financeira em banco foi um passo importante. Agora, aproveitamos a nossa ampla experiência na modalidade de empréstimo com garantia de imóvel, junto com a excelência operacional, para trazer os benefícios desse crédito para dentro de um cartão, unindo praticidade, tecnologia e inovação”, afirma o presidente do Banco Bari, Rodrigo Pinheiro.

O Bari card nasce com o maior limite de crédito do Brasil, podendo chegar a R$ 1 milhão para quem possui bem imobiliário avaliado acima de R$ 2 milhões (o valor do limite corresponde a até 50% do valor do imóvel usado como garantia). O cliente também poderá sacar até 90% do limite, contratando assim uma operação de crédito – em processo 100% digital – com parcelamento em até 120 meses e a taxas de juros muito baixas. Para parcelamentos de até R$ 30 mil, a taxa mensal será de 1,99% ao mês. Já para valores acima disso, o cliente poderá realizar uma operação de home equity, dentro do limite de crédito disponível, com taxas a partir de 1,09% + IPCA, variando conforme o tipo do imóvel.

Essas taxas são extremamente vantajosas comparadas com a taxa do parcelamento do cartão de crédito tradicional, que alcança a média de 8,9% ao mês ou 178,18% ao ano, segundo dados do Banco Central. Também se destaca na comparação com um dos créditos mais baratos – do cartão consignado a 3% ao mês.

“Esse produto acaba com o fantasma de que o cartão de crédito é o vilão da dívida cara. É um alívio para quem conhece a bola de neve provocada pela tomada de crédito com juros altos. Outra vantagem do nosso cartão é o limite, que será muito superior à média atual, permitindo alongar os pagamentos quando necessário”, ressalta Pinheiro.

“É uma opção que representa um enorme potencial transformador para a economia brasileira no sentido de ajudar os brasileiros a ter uma dívida saudável e a diminuir a elevada inadimplência”, diz.

O cartão de crédito do Grupo Bari poderá ser usado tanto por pessoas físicas quanto jurídicas.

“Para o nosso cliente tradicional de home equity, será oferecido um limite de cartão como benefício adicional. Outros públicos potenciais são de pessoas que possuem patrimônio em imóvel e gostariam de ter reserva de liquidez em um cartão pré-aprovado, tanto para investimento quanto para quitação de dívidas mais caras, por exemplo. Esse cliente transforma o imóvel, que é um ativo com baixa liquidez, em um ativo com alta liquidez, e assim afasta o risco de ter que parcelar ou tomar um crédito mais caro”, explica Pinheiro.

Qualquer pessoa que seja proprietária de um imóvel (apartamento, casa, terreno, entre outros) está apta a obter esse crédito, desde que tenha renda comprovada e capacidade de pagamento da dívida de forma controlada, além de outras condições exigidas na análise do perfil do tomador e do imóvel. O formulário para cadastro está disponível no portal www.bancobari.com.br.

Nessa primeira fase de lançamento, o cartão é oferecido nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste do Brasil, onde já há operações Bari. Depois, os serviços serão expandidos para o restante do País. O produto está sendo lançado em parceria com a bandeira Elo.

“Desde o começo, a Elo foi a marca que acreditou e abraçou o projeto. A empresa nos deu condições muito boas e, além disso, o cartão é aceito em todas as máquinas”, afirma o executivo da Bari.

“Na Elo, valorizamos iniciativas pioneiras para impulsionar a economia brasileira. Por isso, buscamos parcerias com players que compartilhem dessa nossa visão, como o Banco Bari”, explica o presidente da Elo. Eduardo Chedid.

A bandeira, 100% brasileira, é aceita em 7,5 milhões de estabelecimentos em todo o país e conta com mais de 125 milhões de cartões emitidos. A Elo também é a primeira bandeira nacional com aceitação internacional. Por meio de parceria com a rede Discover, os cartões podem ser usados para compras em 190 países e territórios.

Nova identidade e potencial de mercado – Pinheiro diz que a proposta de estruturar uma plataforma que permitiria à financeira se transformar em banco vinha sendo desenvolvida há pouco mais de um ano.

“Achamos que, quando a nova estrutura ficasse pronta e novos produtos e serviços fossem lançados, também faria sentido nos reposicionar institucionalmente”, diz, em referência à virada de marca para Bari.

“Além da nossa linha de produtos de home equity, vimos a oportunidade de expandir o portfólio. Para isso, o tamanho do guarda-chuva da financeira Barigui não seria suficiente. A estrutura de banco foi pensada para abrigar essa maior diversidade e também obter a plataforma de distribuição. Assim encaixamos todo o ciclo», explica.

Nessa nova fase, a Novi Soluções Financeiras, unidade de originação de negócios do grupo, passa a se chamar Bari Promotora, liderada pelo diretor executivo Luiz Pedro Albornoz.

O potencial de expansão do crédito com garantia de imóvel no Brasil é bastante expressivo, não só na visão do executivo como também do Banco Central.

“O BC já sinalizou vários estímulos recentes a essa modalidade de crédito mais barata, em movimentos que devem auxiliar na redução da elevada inadimplência dos brasileiros. Além disso, as pesquisas mostram que o potencial de mercado é muito grande e ainda não explorado”, afirma Pinheiro, que completa:

“Estudos calculam que imóveis livres para serem usados como garantia representam um pouco menos que 2x o PIB. O mercado de crédito com garantia no país movimenta atualmente cerca de R$ 15 bilhões e estimamos que o potencial de crescimento gire em torno de 20 vezes esse valor”. (Da Redação)