Plataforma permite pessoas físicas investirem em etanol

A Hurst Capital, que lançou a primeira plataforma brasileira que permite às pessoas físicas investirem em ativos reais (aqueles ativos que estão na economia real, fora do mercado financeiro), começa a explorar outros mercados, com uma operação de recebíveis de etanol de R$ 300 mil, que proporciona uma rentabilidade ao investidor de 25% a.a., ou 1.88% a.m.

Com este tipo de operação, pela primeira vez, os consumidores de etanol têm oportunidade de investir diretamente nos produtores do combustível, e auferir um ganho financeiro direto – que, além do mais, supera em muito as aplicações financeiras mais comuns como o Tesouro Direto, que tem rentabilidade bruta de cerca de 6,6% a.a.; Certificados de Depósito Bancário (CDB), que pagam entre 5,1% a.a. (bancos de primeira linha) a 7,7% a.a. (pequenas instituições), enquanto fundos de investimento multimercado oferecem rentabilidade em torno 7%/8% a.a.

A antecipação de recebíveis, como receitas de cartões de crédito, cheques pré-datados, duplicatas, até hoje só era feita por instituições financeiras como bancos, factorings (empresas de fomento mercantil), fundos de investimentos em direitos creditórios (FIDC) e adquirentes de cartão de crédito como a Cielo, a Rede ou a GetNet.

O surgimento das fintechs abriu caminho para tornar esse tipo de operação mais acessível a pequenas e médias empresas, com o emprego de tecnologias de ponta, como Inteligência Artificial. A referida Operação é de cessão direta dos títulos de crédito (duplicata) o qual foi originado a partir de uma operação mercantil de compra e venda, portanto, essas ofertas estão fora do âmbito de atuação da Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

Aplicativo dá mais oportunidade à prestadores de serviços

A situação econômica do Brasil ainda é desanimadora para muitos trabalhadores. Dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE), revelam que a taxa de desemprego cresceu de 11,6% para 12,7% entre o último trimestre de 2018 e o primeiro de 2019. Na prática, significa que o número de pessoas que procuram vagas subiu de 12,2 milhões para 13,4 milhões.

Diante desse cenário, o aplicativo Clicaaí foi desenvolvido com intuito de dar mais oportunidade a quem precisa. O empresário e idealizador do Clicaaí, Alexandre Mota, diz que o aplicativo surgiu como uma excelente alternativa para o aumento da renda de milhões de brasileiros desempregados. Por meio de download gratuito, tanto o profissional quanto o contratante passam a fazer parte da plataforma do Clicaaí.

“Os profissionais cadastrados utilizarão nossa plataforma sem custo por um período de degustação que vai até a primeira contratação e com mais 15 dias de bônus. Após esse tempo, contribuirão com uma pequena quantia mensal para uso ilimitado. Já os usuários contratantes poderão buscar por profissionais em diversos segmentos sem pagar nada”, informa Mota.

PMEs são a nova aposta da pioneira em locação de carros para apps

Atender a uma demanda reprimida de pequenas e médias empresas com pouco tempo de atividade que precisam de uma frota de veículos, mas encontram entraves quando buscam terceirizá-la. Restrição de crédito é uma das dificuldades, já que locadoras tradicionais exigem que a empresa tenha, pelo menos, dois anos de funcionamento.

A PPCar, startup pioneira na locação semanal de carros para motoristas de aplicativos, percebeu o problema enfrentado pelas PMEs e criou um novo serviço, o PPCar Empresas. Redução de até 25% dos custos da PME é uma das vantagens em terceirizar a frota, o que viabiliza utilizar essa economia para investimentos em áreas mais estratégicas da empresa. Custeio com emplacamento, licenciamento, seguros, assistência 24 horas e manutenção do veículo são de responsabilidade da locador.

As PMEs podem alugar no mínimo três e no máximo 10 carros. Não há consulta para negativados e a empresa pode ter menos de dois anos.

Identificação dos pets

Projetos inovadores vão além do mundo dos negócios. Governos e instituições filantrópicas também podem ter ideias inovadoras e aplicá-las a fim de melhorar algum aspecto da sociedade, a união de todos é o cenário perfeito. Um problema que precisa de cada vez mais atenção é o da causa animal.

Só no Brasil, existem cerca de 30 milhões de cães e gatos nas ruas, o que é uma questão social e também sanitária. Diante deste dado, a startup AjudaPet, que foi criada em dezembro de 2016, tem como missão encontrar e executar soluções efetivas para o fim do abandono e sofrimento animal.

Usando a tecnologia ao seu favor, a primeira fase da startup contempla um app de Gestão Pet, aliado a um Colar de Identificação Animal, que vem impresso um site individual para cada pet, um QrCode que direciona para esse site e uma central 0800, onde quem encontrar o pet pode usar destes três meios de contato para informar a seu responsável.

A criação do Colar tem como objetivo identificar o maior número de pets possíveis, controlar sua saúde, identificar animais que estão na rua para que tenham um histórico de saúde e principalmente informar aos donos que seu pet foi encontrado. Os colares já estão disponíveis para venda através do site da startup e do Instagram.