O crescimento da economia de Curvelo, na região Central, exige que a cidade se prepare também para receber mais visitantes. O turismo de negócios avança se juntando ao turismo religioso e ao esportivo. A Festa de São Geraldo – chamada Oitava -, que acontece entre 31 de agosto e 8 de setembro, costuma reunir mais de 100 mil pessoas no decorrer da semana na única Basílica dedicada exclusivamente ao santo em todo o mundo. A devoção completa 102 anos em 2019.

Outro momento importante acontece na primeira semana de julho, com a realização do “Forró Beneficente”, promovido pela prefeitura, com apoio de entidades e clubes de serviço. Durante os quatro dias de festa, são armadas barracas em praça pública com direito a grandes shows de artistas nacionais, danças e outras brincadeiras típicas. Nessa época, a população da cidade costuma dobrar.

Diante de tantas festas e eventos, a hotelaria de Curvelo começa a crescer. Essa é a aposta do empresário Luiz Sousa, proprietário do Hotel Pontal Plaza, que está construindo mais uma unidade na cidade. O novo empreendimento, da categoria executivo, deve ser inaugurado em meados de 2020, com 125 apartamentos e capacidade para 250 leitos. Curvelo faz parte do Circuito Turístico Guimarães Rosa, junto com as cidades de Araçaí, Buritizeiro, Corinto, Felixlândia, Inimutaba, Morro da Garça, Pirapora, Presidente Juscelino e Santo Hipólito. Atualmente o município conta com 1.234 leitos.

“Com os eventos acontecendo sentimos a necessidade de aumentar a capacidade e ter um novo hotel. Curvelo está estrategicamente posicionada e mesmo durante a crise não paramos de crescer”, comemora Sousa, sem revelar o valor do investimento.

Se as indústrias e os serviços estão ocupando espaço na economia local, a cidade, por outro lado, não abandona sua tradição agropecuária. Entre os dias 13 e 18 de maio, aconteceu a 76ª edição da Exposição Agropecuária e Industrial de Curvelo. Aproximadamente 600 animais, entre bovinos e equinos, foram expostos durante o evento que promoveu leilões, julgamentos de raças, torneios leiteiros, rodeios, principalmente das raças Guzerá, Gir, Nelore, Mangalarga Marchador e Girolando, além de shows e atividades de lazer e compras.

Segundo o presidente da Associação Mineira dos Criadores de Zebu (AMCZ), Gustavo Pitangui de Salvo, a exposição gerou negócios na casa dos R$ 15 milhões, com visitantes do País inteiro e até do exterior.

“A pecuária dá sinais de retomada de preço e temos aqui o melhor em tecnologia genética bovina das raças Guzerá, Gir, do cruzamento das raças leiteiras, do Nelore e do Mangalarga Marchador. Isso é bom porque o que fazemos aqui ajuda o pequeno e o médio produtor a melhorar a sua produtividade e a capacidade de renda do homem do campo”, analisa Salvo.

A festa acontece no Parque de Exposições Antônio Ernesto de Salvo, que fica no centro da cidade. Ele tem 70 mil metros quadrados e duas pistas de julgamento de animais, 10 pavilhões para exposição de gado, cinco casas de criadores e um amplo espaço multiúso climatizado, sendo administrado pela AMCZ. (DM)