Empresa mantém em Pirapora, no Norte de Minas, a maior usina solar em operação na América Latina, com potência instalada de 406 megawatts - Crédito: Reprodução

Investindo em geração de energia fotovoltaica em Minas Gerais desde 2015, quando venceu o primeiro 1º Leilão de Energia de Reserva 2015 da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), a Solatio Energia vai ampliar seus projetos no Estado. Com aportes de R$ 21 bilhões até 2023, dez cidades mineiras serão contempladas com fazendas solares que somarão uma capacidade instalada de mais de 7.200 megawatts (MW).

O anúncio foi feito pelo governador do Estado, Romeu Zema (Novo), por meio das redes sociais. Segundo ele, com o investimento, Minas Gerais será o Estado com mais abundância de energia e provavelmente o mais competitivo no setor também.

“Teremos o equivalente a metade da potência da Usina de Itaipu, somente não será igual, pois não é possível produzir energia solar a noite”, disse em referência aos 14 mil MW da principal usina hidrelétrica do País, localizada no Paraná.

Ainda conforme a postagem do governador, esta é mais uma ação visando à atração de investimentos para Minas e a retomada da eficiência do Estado.

“Um governo diferente é o que atrai investimentos, gera empregos e faz um Estado eficiente. É para isso que estamos trabalhando em Minas”, anunciou.

Ele ressaltou que dez cidades mineiras serão contempladas com as fazendas de captação de luz solar, além de Pirapora, no Norte de Minas, onde já está em operação a maior usina da América Latina e a terceira do mundo, com potência instalada de 406 MW e também Paracatu, onde há outra unidade com capacidade instalada de potência de 156 MW.

E anunciou que a Solatio prepara a construção de outras quatro usinas que serão ainda maiores: uma em Buritizeiro (650 MW), outra em Arinos (1.300 MW), outra em Janaúba (1.500 MW) e uma em Várzea da Palma (2.050 MW).

Além disso, também receberão empreendimentos fotovoltaicos Januária (10 MW), Francisco Sá (122 MW), Jaíba (316 MW) , Coromandel (82 MW), Guimarânia (82 MW) e Araxá (120 MW).

LEIA TAMBÉM:

Preço horário vai entrar em vigor em 2021

Acordo sobre Itaipu é benéfico para o Brasil

Cronograma – Procurada pela reportagem, nenhum responsável da Solatio foi localizado para detalhar os projetos. No vídeo das redes sociais do governador, o presidente da empresa, Pedro Vaquer Brunet, disse que cerca de 70% do projeto será concluído até o fim de 2022 e o restante (30%) em 2023.

“São projetos reais, porque se referem a contratos de energia contratada no mercado livre e não dependem de novos leilões do governo”, anunciou. Ele se refere ao fato de 6.432 MW da potência a ser instalada se referir a projetos de Ambiente de Contratação Livre (ACL).

Por fim, também no vídeo, o diretor-geral da CMU Comercializadora de Energia, Walter Luiz de Oliveira Fróes, empresa responsável pela comercialização da energia dos empreendimentos anunciados no mercado livre, comemorou a notícia dos novos parques em solo mineiro.

“Minas Gerais já é conhecida como caixa d’água do Brasil pelas hidrelétricas e agora passará a ser também a casa do sol, a partir de tantos projetos fotovoltaicos”, resumiu.