COTAÇÃO DE 17/09/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,2820

VENDA: R$5,2820

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,3100

VENDA: R$5,4500

EURO

COMPRA: R$6,2293

VENDA: R$6,2322

OURO NY

U$1.754,86

OURO BM&F (g)

R$298,96 (g)

BOVESPA

-2,07

POUPANÇA

0,3012%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Agronegócio

Agronegócio reduz os custos com a utilização de energia solar

COMPARTILHE

Os produtores rurais estão investindo mais em geração de energia solar no Estado | Crédito: Divulgação
Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

A valorização das commodities agrícolas e a tendência de uma demanda cada vez maior por alimentos devem manter a produção de grãos em alta. Com os preços rentáveis e em busca de processos mais eficientes e competitivos, os produtores de Minas Gerais estão investindo, e uma das alternativas que vem sendo adotada é o aporte na energia solar

Além de linhas de financiamento disponíveis, o que facilita os aportes, a economia pode chegar até 99% nos custos com a energia elétrica, dependendo do sistema do produtor. Um dos setores que mais investe é o de grãos, no qual a energia é fundamental para a secagem da produção e também um dos maiores custos. 

PUBLICIDADE

De acordo com o sócio e diretor da SolarVolt Energia, empresa com sede em Nova Lima, Gabriel Guimarães, o setor agropecuário, principalmente os segmentos envolvidos com a exportação, em função do câmbio desvalorizado, está cada vez mais aquecido e com patamares de preços de vários commodities em níveis recordes.

“Os produtores estão bem estruturados e estão investindo. O segmento de grãos, por exemplo, demanda muita energia na parte de secagem. O processo é necessário para os grãos não mofarem e ficarem bem conservados. Isso permite que os produtores tenham tempo e maior segurança para armazenar e negociar a produção no mercado no melhor momento”, explicou. 

Ainda segundo Guimarães, no setor de grãos, os produtores estão sempre buscando formas de fazer melhorias para promover o aumento da produtividade e também para reduzir os custos. A energia solar fotovoltaica encaixa muito bem nesta demanda do produtor já que a energia elétrica usada na secagem dos grãos tem um custo relevante dentro da operação e o aporte na energia solar é uma oportunidade para a redução de custo.

“Em alguns sistemas, a redução dos gastos pode chegar até 99%, dependendo do produtor. Ele, em muitos casos, paga somente a tarifa mínima da distribuidora de energia”.

A tendência é de que os aportes do setor agropecuário em energia solar cresçam significativamente nos próximos anos. Dentre as vantagens estão a produção de uma energia limpa, de menor custo e também a grande durabilidade do sistema.

“Os aportes são interessantes. Além da economia gerada com a conta de luz, que pode variar entre 80% até 99% do valor pago antes da instalação do sistema, as placas solares têm vida útil em torno de 25 anos, o que faz com que o retorno do investimento seja rápido, cerca de 3 a 5 anos, e os benefícios podem ser explorados por um longo período”.

Além do uso em silos de grãos (foto), energia solar também tem sido adotada por produtores de café e pecuaristas | Crédito: Divulgação

Investimento democrático 

Outra vantagem é que produtores de pequeno porte também podem investir, já que existem linhas de financiamento com condições diferenciadas. “O momento de juros baixos é bem favorável para os produtores acessarem as linhas de crédito exclusivas para investimentos em energia solar. Em função disso, as parcelas são muito menores que a conta de energia. Então, o retorno do aporte acontece desde o momento zero. O produtor não precisa desembolsar”, disse.

Em Minas Gerais, segundo Guimarães, os produtores estão atentos e investindo na energia fotovoltaica. Ele explica que entidades ligadas ao setor fizeram campanhas de conscientização e divulgaram os benefícios da energia solar, como a redução dos custos. Com a pulverização dos sistemas e a geração de resultados positivos, os produtores estão perdendo o receio e fazendo o investimento. 

Além da produção de grãos, em Minas Gerais, outros setores também têm apostado mais na energia solar, como as fazendas de leite e laticínios, café, tanto para secagem do grão como para a torrefação, hortifrútis e gado de corte.

A produção de energia solar também pode ser fonte de renda. Uma das modalidades que vem sendo adotada, em Minas Gerais, é o arrendamento de terras para a instalação dos sistemas de produção.

“Os produtores têm olhado bastante a opção de arrendamento da terra durante 25 anos. O valor de arrendamento é compatível com o que ele arrendaria para outro produtor. Por ser um contrato de longo prazo, ele tem segurança de renda, sabe o que vai receber e tem fluxo de caixa por 25 anos”, explicou Guimarães.

Projeto quer integrar geração à produção agrícola

Minas Gerais é líder na produção de energia elétrica solar distribuída. A radiação direta da luz do sol em diversas regiões confere ao Estado o título de “Califórnia brasileira”. Mas você sabia que é possível otimizar o uso do solo de modo a integrar a sombra feita por placas de geração de energia à produção de alimentos?

Essa é a proposta tecnológica que a Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig), a partir de iniciativas conjuntas com a Secretaria de Agricultura do Estado (Seapa), desenvolve em parceria com a Cemig. O objetivo da proposta, ainda em fase inicial, é integrar a geração de energia elétrica (por meio de placas solares) à produção de alimentos, em projetos-piloto nos Campos Experimentais da Epamig.

De acordo com estudos realizados em países como Alemanha, China, França, Estados Unidos, Holanda e Japão, a combinação de painéis de energia solar com sistemas de produção agrícola gera ótimos resultados. Minas Gerais coloca o Brasil na lista de países em potencial. Contudo, o desafio da pesquisa é identificar quais culturas agrícolas podem ser consorciadas com os painéis de energia e quais arranjos de painéis são mais eficientes para as condições brasileiras.

As implantações dos projetos-pilotos iniciais vão ocorrer em seis Campos Experimentais da Epamig. No Norte de Minas, experimentos deverão ser realizados nos municípios de Jaíba, Nova Porteirinha e Leme do Prado. No Centro-Oeste estão previstos projetos-pilotos no município de Prudente de Morais. Já na região Oeste, sistemas com módulos de geração fotovoltaica deverão ser instalados em Patrocínio. Por fim, o município de São João del-Rei, no Sul de Minas, também está na lista para receber os experimentos iniciais.

Segundo o diretor de Operações Técnicas da Epamig, Trazilbo de Paula, a empresa de pesquisa agropecuária mineira terá o papel de instalar unidades-piloto para testar diferentes culturas em diversos arranjos e, em seguida, transferir para os agricultores mineiros tecnologias adaptadas às condições de clima e solo do Estado. A dinâmica tende a elevar ainda mais o valor agregado do agronegócio em Minas Gerais.

“O projeto de implantação de energia agrovoltaica oferece uma oportunidade muito interessante para o aproveitamento de áreas mineiras. Produzir alimentos e energia elétrica em um mesmo local é algo realmente inovador que a Epamig traz junto à Cemig, contando com a grande experiência da Fraunhofer-Gesellschaft, da Alemanha. Vamos usar as estruturas dos nossos Campos Experimentais para apresentar aos produtores possibilidades adaptadas a cada microrregião”, destaca Trazilbo.

Proposta de implantação de energia agrovoltaica da Epamig pode otimizar uso de áreas no Estado | Crédito: Divulgação

Energia agrovoltaica – Diferente da energia solar convencional, a energia agrovoltaica conta com placas de captação da luz solar posicionadas em alturas maiores, de forma a permitir a realização de atividades agropecuárias sob elas. A altura varia de acordo com a cultura ou criação que se pretende realizar.

Segundo o pesquisador da Cemig Carlos Alberto de Sousa, o projeto prevê, ainda, utilização de módulos monofaciais e bifaciais, o que inclui novos materiais à medida que a pesquisa avança. Para ele, se confirmados, os investimentos em sistemas agrovoltaicos trarão impactos positivos para a vida e o bolso dos produtores.

“A Epamig é uma referência no Estado de Minas no que diz respeito à pesquisa agropecuária e uma das estratégias da Cemig é desenvolver a inovação. Em um projeto sobre energia agrovoltaica, é natural que a Cemig, dentro da sua competência em energia, queira se unir a uma entidade com muita competência em agricultura e agropecuária. Nossa ideia é desenvolver modelos de negócios interessantes e viáveis que possam ser replicados em diferentes regiões do Estado”, destaca Carlos Alberto. (Com Epamig)

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!