COTAÇÃO DE 27/09/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,3780

VENDA: R$5,3790

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,3130

VENDA: R$5,5370

EURO

COMPRA: R$6,2562

VENDA: R$6,2591

OURO NY

U$1.750,16

OURO BM&F (g)

R$300,91 (g)

BOVESPA

+0,27

POUPANÇA

0,3575%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Agronegócio
Com vida útil estimada em 25 anos, as placas solares propiciam um retorno rápido do investimento para o cliente, que pode ocorrer entre 3 e 5 anos | Crédito: Divulgação/Curral de Minas

A busca por melhor eficiência no processo produtivo da agricultura e da pecuária tem incentivado os investimentos em energia solar. Além de ser uma energia limpa, a economia com a conta de luz pode variar entre 80% até 99% do valor pago antes da instalação do sistema. Outra vantagem é que as placas solares têm vida útil em torno de 25 anos, o que faz com que o retorno do investimento seja rápido, cerca de 3 a 5 anos, e os benefícios podem ser explorados por um longo período.

De acordo com o sócio da SolarVolt Energia, Gabriel Guimarães, a empresa, que tem sede em Nova Lima, na Região Metropolitana de Belo Horizonte (RMBH), tem no setor do agronegócio um dos maiores players em número de projetos, e a demanda tende a se manter em crescimento.

PUBLICIDADE

“O produtor rural viu que a energia é um dos principais custos na operação. O investimento em energia solar é uma opção para melhorar a produtividade dos negócios e reduzir os custos, o que ele já faz de maneira recorrente. Os produtores de médio a grande portes já estão acostumados a buscar financiamentos optando por linhas de crédito voltadas para investimentos que promovam melhorias, e a energia solar tem se tornado um dos aportes prioritários”, explica.

Ainda segundo Guimarães, a demanda pelos projetos de geração de energia vem de segmentos variados do agronegócio, incluindo laticínios, fazendas de leite, café, gado de corte, soja, milho e grandes produtores de hortifrútis.

“A demanda do setor agropecuário vem crescendo exponencialmente nos últimos anos. Isso porque a energia tem ficado cada vez mais cara para o produtor. Além disso, existem projetos de lei que visam a retirar os subsídios que os produtores têm na conta. Por isso, a tendência, no médio prazo, é de que a conta de luz suba acima da média e ainda existem os reajustes anuais de tarifa. Desta forma, a estimativa é de que o setor invista cada vez mais na energia solar, que, além de ser mais sustentável, é mais barata”, avalia.

Retorno – Em média, o retorno do investimento na implantação do sistema ocorre entre 3 e 5 anos, dependendo do tipo de instalação e do local onde for implantado. Em relação à economia, a redução nos valores da conta de luz pode variar de 80% a 99%, dependendo do projeto.

Guimarães destaca que o momento é interessante para que os produtores rurais invistam na geração de energia. Além dos juros baixos, existem linhas de crédito específicas para este tipo de aporte, com juros baixos e tempo hábil para pagamento.

“Normalmente, a parcela de financiamento dos projetos fica menor que o valor que o produtor pagava de conta de luz. A economia é imediata, e a opção de financiar permite que o produtor preserve o caixa”, completa.

Curral de Minas instala três usinas

Os resultados gerados com a instalação das usinas solares têm agradado os produtores rurais. O proprietário do Grupo Curral de Minas, Ramiz Ribeiro Junqueira, investiu R$ 2 milhões para a instalação de três usinas.

Ele explica que os projetos foram implantados em uma fazenda de café, uma fazenda de leite e na indústria Laticínios Curral de Minas, todos em Oliveira.

“Desde a instalação, estamos registrando resultados positivos. A economia gerada em um ano, que completaremos este mês, será de R$ 450 mil. Ao todo, investi R$ 2 milhões e a estimativa é recuperar este valor em 4 a 5 anos”, disse.

Ainda segundo Ramiz, o investimento foi bom, já que a estimativa é de que as placas durarão em média 25 anos. Com os custos com a instalação se pagando em cinco anos, ainda sobra um grande período de benefício.

“O investimento foi importante uma vez que a energia era um dos principais gastos das propriedades. A redução de gastos é essencial para qualquer atividade produtiva”, disse Ribeiro.

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!