Empresa de Uberaba faz maior exportação de sêmen bovino para Índia

A Alta Genetics enviou 40 mil doses provenientes de touros da raça Gir Leiteiro

29 de janeiro de 2024 às 20h51

img
Crédito: Alta Genetics/Reprodução Site

O primeiro mês de 2024 trouxe um novo marco para a pecuária zebuína nacional: a maior exportação de sêmen bovino brasileiro para a Índia. A central Alta Genetics, sediada em Uberaba, no Triângulo Mineiro, enviou para o país asiático um total de 40 mil doses provenientes de quatro touros da raça Gir Leiteiro, integrantes da sua bateria de reprodutores.

Muito procurada no mercado pela sua grande capacidade de produção sustentável de leite de qualidade, a genética Gir Leiteiro, uma raça originária da Índia, passou por uma evolução intensa no Brasil, a partir das primeiras importações de touros indianos, no início do século passado.

“A Índia, berço mundial do Zebu, é a origem das raças que respondem por uma grande parte da produção de carne e leite no Brasil – alimentos de extrema importância para a população e para a economia. Desta forma, poder contribuir para o progresso genético do rebanho indiano representa não só uma grande oportunidade comercial e de estreitamento de relações internacionais, mas também uma forma de retribuir um pouco da generosidade do país que viabilizou a pecuária zebuína no Brasil”, comemora o presidente da Associação Brasileira dos Criadores de Zebu (ABCZ), Gabriel Garcia Cid.

As doses de sêmen foram adquiridas pela National Dairy Development Board (NDDB), cooperativa estatal indiana que responde pela marca Mother Dairy. “É o resultado de um projeto que vem sendo discutido com a Índia há quase quatro anos. Embora tenha sido um processo desafiador, tivemos êxito nas negociações e concretizamos a exportação”, disse Angelo de Queiroz Maurício, adido agrícola do Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa) na Índia.

Para Heverardo Carvalho, diretor da Alta Brasil, o momento também é de comemoração. “Acabamos de abrir um grande caminho para a pecuária brasileira”, avalia. E continua: “O criador brasileiro está de parabéns por ter realizado um melhoramento genético tão significativo nas raças zebuínas – de tal sorte que o país-mãe dessa genética nos procura, agora, para melhorar o seu próprio rebanho. Sem estes grandes criadores, não haveria exportação”.

Quatro animais

Os touros escolhidos para contribuir para o progresso genético do plantel indiano foram: Espetáculo FIV, propriedade da Tropical Genética; Haroldo FIV da Genipapo, do criador Paulo Roberto de Andrade Cunha; Ivã FIV de Brasília, originário da Fazenda Brasília e propriedade do produtor Luiz Eduardo Branquinho, da Estância K, e da Alta Genetics do Brasil; e Trovão FIV S. Edwiges, do criador José Maria de Souza e propriedade da Alta Genetics do Brasil.

A Índia lidera o ranking global de produção de leite, respondendo por 24% do alimento produzido em nível mundial, e a importação faz parte da estratégia para aumentar ainda mais este resultado. O objetivo é que a produção de leite indiano alcance 330 milhões de toneladas por ano até 2034. Em 2023, a quantidade produzida foi de 230,6 milhões de toneladas.

Facebook LinkedIn Twitter YouTube Instagram Telegram

Siga-nos nas redes sociais

Comentários

    Receba novidades no seu e-mail

    Ao preencher e enviar o formulário, você concorda com a nossa Política de Privacidade e Termos de Uso.

    Facebook LinkedIn Twitter YouTube Instagram Telegram

    Siga-nos nas redes sociais

    Fique por dentro!
    Cadastre-se e receba os nossos principais conteúdos por e-mail