COTAÇÃO DE 26/11/2021

DÓLAR COMERCIAL

COMPRA: R$5,5950

VENDA: R$5,5960

DÓLAR TURISMO

COMPRA: R$5,6300

VENDA: R$5,7570

EURO

COMPRA: R$6,3210

VENDA: R$6,3222

OURO NY

U$1.792,60

OURO BM&F (g)

R$322,88 (g)

BOVESPA

-3,39

POUPANÇA

0,4620%

OFERECIMENTO

INFORMAÇÕES DO DOLAR

Economia

Anglo American investirá R$ 4,4 bi

COMPARTILHE

A Anglo American busca atingir a capacidade de 26,5 milhões de toneladas de minério de ferro/ano | Crédito: Divulgação

A missão oficial de Minas Gerais no Reino Unido para participação na Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas de 2021 (COP26), em Glasgow, continua gerando resultados práticos voltados à atração de novos investimentos para o Estado. Agora foi a vez da Anglo American anunciar investimentos de R$ 4,4 bilhões até 2025 na continuidade operacional do sistema Minas-Rio, em Conceição do Mato Dentro, no Médio Espinhaço.

Incluindo melhorias tecnológicas, obras civis e trabalhos preparatórios para futuras expansões, os aportes se somam aos quase R$ 50 bilhões já investidos no projeto desde sua concepção, em 2008, e indicam um desembolso anual de cerca de R$ 1 bilhão nos próximos quatro anos.

PUBLICIDADE

A conta é do diretor de Assuntos Corporativos da mineradora, Ivan Simões, que destaca a série de iniciativas visando à sustentabilidade do negócio, stakeholders e comunidade. “Os recursos visam desde a otimização do processamento da planta, passando pela redução da quantidade de rejeitos dispostos na barragem até a execução de projetos sociais junto à comunidade do entorno“, diz.

Ainda segundo Simões, em termos de capacidade produtiva, este investimento vai permitir com que a empresa atinja a capacidade nominal da planta de 26,5 milhões de toneladas de minério de ferro por ano. E também a manutenção dos empregados atuais e adição de novas vagas, chegando a 8.600 empregos gerados pelo empreendimento, sendo 2.400 diretos e 6.200 indiretos. “Estamos falando de um dos maiores investimentos da Anglo American no mundo e um dos maiores recebidos por Minas Gerais”, ressalta.

Para se ter uma ideia da importância do sistema para os negócios da mineradora, a produção da Anglo American no sistema Minas-Rio foi de 6,1 milhões de toneladas de minério de ferro no terceiro trimestre deste ano, alavancando a produção global do produto no grupo em 15% em relação ao mesmo período do ano anterior.

A Anglo American é uma empresa líder global em mineração. O portfólio de operações competitivas de classe mundial, que inclui uma ampla gama de opções de desenvolvimento futuro, fornece metais e minerais para um mundo mais sustentável, atendendo ao rápido crescimento das demandas diárias de bilhões de consumidores.

Simões este é um dos maiores investimentos da Anglo American no mundo | Crédito: Washington Alves

Mineração sustentável no Minas-Rio

Na sede da empresa, em Londres, o governador Romeu Zema (Novo) foi recebido pelo CEO Global da companhia, Mark Cutifani. Na ocasião, a empresa também apresentou seu Plano de Mineração Sustentável, que guia ações em três pilares de sustentabilidade global – Ambiente, Social e Governança.

“Este plano está na base de tudo o que fazemos e faz parte do nosso propósito de repaginar a mineração em vistas de melhorar a vida das pessoas. Para isso, seguimos os três pilares ESG, que chamamos, pela ordem das siglas: meio ambiente saudável, comunidades prósperas e líderes corporativos de confiança”, explica o diretor de Assuntos Corporativos.

Em Minas Gerais, o Plano de Mineração Sustentável inclui investimentos em conservação de áreas verdes, parcerias para melhorias nos sistemas de educação e saúde, medidas de eficiência energética e geração de energia solar, entre diversas outras ações.

Também foi apresentado o Relatório de Mudanças Climáticas 2021 da empresa, que contém o progresso da mineradora em direção à sua meta de operações neutras em carbono. 

A empresa mostrou, ainda, o trabalho desenvolvido para recuperar 23 nascentes degradadas das bacias do rio Santo Antônio, que nasce no município de Conceição do Mato Dentro, em Minas Gerais, e cerca de 8 mil metros lineares de áreas de preservação permanente da região. A iniciativa conta com investimento de R$ 2 milhões.

“Minas Gerais foi o primeiro estado a aderir ao Race to Zero. Sabemos que em poucos anos o mundo só vai comprar produtos verdes. Não adianta ter uma bela mina, se você está degradando o meio-ambiente. É provável que você terá dificuldades em colocar esse produto no mercado. O mesmo vale com o aço, com o café, com as commodities, com  o automóvel. Então já estamos fazendo um trabalho para que Minas Gerais venha ser um estado que produz de forma sustentável. Isso que vai abrir mercados e vai nos dar tranquilidade em relação ao futuro”, afirmou o governador.

O novo investimento se soma aos mais de R$ 147 bilhões já assinados pela atual gestão com empresas que atuam ou atuarão no Estado, cumprindo a meta do governo Zema em atrair oportunidades e gerar empregos. Somente em 2021 já são R$ 58,2 bilhões em volume de investimentos, superando o recorde anual de R$ 57 bilhões alcançado em 2019.

Preços do coque e do minério recuam na China

São Paulo – Os contratos futuros de coque na China caíram ontem, atingidos por relato de mau tempo nas províncias e cidades do norte, o que atrapalhou o transporte de insumos siderúrgicos, enquanto o minério de ferro também ficou sob pressão devido a preocupações com a queda dos preços do aço.

O contrato de coque mais ativo de janeiro na Bolsa de Commodities de Dalian, na China, fechou em queda de 1,8%, a 3.012,50 iuanes (US$ 470,85) a tonelada.

Citando um comunicado do Ministério de Transportes da China, analistas da Sinosteel Futures disseram que algumas estradas tiveram que ser fechadas para veículos em meio à forte neve na parte norte do país.

A agência meteorológica da China emitiu no domingo o primeiro alerta laranja de tempestade de neve, o segundo nível mais alto, enquanto alarmes de ondas de frio em todo o país alimentaram preocupações sobre interrupções no tráfego.

“O ritmo de transporte de coque para os compradores pode desacelerar novamente, o que aumentará a pressão de estoque sobre as empresas de coque”, disseram analistas da Sinosteel em nota.

O carvão metalúrgico em Dalian caiu 2,6%.

O minério de ferro de Dalian mais negociado para entrega em janeiro caiu 1%, para 561 iuanes por tonelada, sendo negociado perto de uma mínima de 12 meses, enquanto o contrato de dezembro mais ativo na Bolsa de Cingapura caía 1,7%, para US$ 90,55 a tonelada, no início da manhã.

Uma queda recorde na produção de aço chinesa este ano, à medida que a maior produtora de aço do mundo busca reduzir as emissões de carbono, levou a uma correção significativa nos preços do minério de ferro.

O vergalhão de aço para construção na Bolsa de Futuros de Xangai também fechou em queda, 0,7%, enquanto a bobina laminada a quente caiu 1,1%. O aço inoxidável caiu 1,9%. (Reuters)

Ao comentar você concorda com os Termos de Uso. Os comentários não representam a opinião do portal Diário do Comércio. A responsabilidade sob qualquer informação divulgada é do autor da mensagem.

COMPARTILHE

NEWSLETTER

Fique por dentro de tudo que acontece no cenário economico do Estado

OUTROS CONTEÚDOS

PRODUZIDO EM

MINAS GERAIS

COMPARTILHE

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no telegram

Comunicar erro

Identificou algo e gostaria de compartilhar com a nossa equipe?
Utilize o formulário abaixo!